terça-feira, 19 de junho de 2012

Até a areia nos roubam...! Ativistas confrontados com sanções penais por denunciarem o roubo de areia do Sahara Ocidental



Enquanto as importações para as Canárias de areia saharaui roubada prosseguem de forma impune, um grupo de ativistas saharauis e espanhóis, incluindo um membro da WSRW, confrontam-se com uma sanção penal, precisamente por denunciarem este comércio ilegal. Recorde-se que já por diversas vezes a Região Autónoma da Madeira tem beneficiado desta espoliação da areia saharaui. A denúncia de que um dos barcos envolvidos neste comércio ilegal faz frequentemente a rota El Aiun-Setúbal, faz temer que outras entidades portuguesas estajam envolvidas ou beneficiam deste verdadeiro roubo.
  
No dia 5 de outubro de 2011, um grupo de ativistas espanhóis e saharauis lançou-se à agua frente ao cargueiro "Dura Bulk" (IMO: 7325461), enquanto era descarregada areia do Sahara Ocidental ocupado no porto de Tenerife, Ilhas Canárias . As autoridades portuárias acusaram os manifestantes de terem acedido às águas do porto sem autorização, e querem-lhes impor pesadas multas que podem chegar aos 60.000 € a cada um.

"É desconcertante que as mesmas autoridades que permitem e facilitam as descargas de areia de um país sob ocupação, e que têm um valor de milhões de euros, prefiram ameaçar aqueles que protestam por este roubo", afirma Julio Quílez da Western Sahara Resource Watch (WSRW).

Os protestos por parte de simpatizantes saharauis sucederam-se desde então, exigindo a o arquivamento dos processos judiciais contra os manifestantes. No dia  11 de abril, as autoridades portuárias decidiram baixar a multa para 90 € por cada manifestante. Mas é claro que isso também é inaceitável. Julio Quílez afirmou que é uma questão de princípios. "Decidimos recorrer, negamo-nos a pagar por ter chamado a atenção sobre aquilo que é um roubo descarado", afirmou Quílez.

A areia que carregava o "Dura Bulk" destinava-se à fábrica de cimento Proyecto Dover SL, que se encontra dentro da zona do porto.

A WSRW solicitou às autoridades portuárias que indiquem qual é o procedimento ou os trâmites políticos que se seguem quando uma empresa, sediada nos molhes compreendidos na jurisdição do porto, descarga um carregamento del Sahara Ocidental ocupado. As  autoridades portuárias declararam que não eram competentes para investigar ou proceder a uma denuncia civil ou penal contra as empresas envolvidas na extração, transporte e tratamento de tal tipo de carga. Admitiram que a areia a bordo do "Dura Bulk" procedia de El
Aaiún, que as autoridades situam "em Marrocos".

As importações de areia continuam

Entretanto, as importações de areia para as ilhas Canárias prosseguem. O "Trío Vega (IMO: 7116133) descarregou uma carga de areia saharaui no porto de Tenerife a 7 de fevereiro de deste ano. Tal como o "Bulk Dura", o barco "Trío de Vega” é propriedade e é explorado pela empresa marítima Arabella, com sede em Las Palmas de Gran Canaria. Outros dois barcos da frota da empresa Arabella fazem regularmente a rota marítima entre Setúbal (Portugal) - El Aaiún - Las Palmas, trata-se do "Sky West" (IMO: 6810201) e do 'Anja Funk "(IMO: 7120720).

Outro barco, que não pertence à empresa Arabella, realiza também viagens semanais a El Aaiún. Tarta-se do "Silver Sand 'com bandeira do Reino Unido (IMO: 8843850). O 'Silver Sand' descarrega a sua carga em Las Palmas ou em Arguineguín, o molhe onde a empresa construtora Granintra SA conta com uma fábrica de cimento que cobre o sul de Las Palmas da Gran Canaria.

Sem comentários:

Publicar um comentário