quarta-feira, 25 de julho de 2012

MINURSO despede marroquinos suspeitos de espionagem



Segundo informa a página web em língua árabe “Sahara Agora” (www.saharanow.com) e de acordo com as suas fontes, o Representante Especial das Nações Unidas para o Sahara Ocidental e máximo responsável da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO), o alemão Wolfgang Weisbrod-Weber, acaba de anunciar que põe fim ao serviço que vinham prestando vários trabalhadores de nacionalidade marroquina empregados na sede da MINURSO, em El Aaiún, alguns dos quais estão há mais de duas décadas contratados pela Missão.
Wolfgang Weisbrod-Weber

Isto ocorre depois de se saber que as relações entre Marrocos e as Nações Unidas conheceram forte tensão, que desembocou na retirada de confiança por parte de Marrocos ao Enviado Pessoal do Secretário-Geral da ONU para o Sahara Ocidental, Christopher Ross. As fontes consultadas do “Sahara Agora” acrescentam que o Representante Especial da ONU, Weisbrod-Weber, que anteriormente trabalhou em Timor-Leste, decidiu despedir os trabalhadores da sede central da MINURSO em El Aaiún e noutras cidades saharauis, tendo por base relatórios internos que asseguram que algumas pessoas efetuam trabalhos de espionagem sobre todos os movimentos dos membros da MINURSO e que o fazem há mais de duas décadas.


Esta situação já fora denunciada anteriormente pelo próprio Christopher Ross que imputou às autoridades marroquinas a “escuta de comunicações” entre a sede da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental em El Aaiún e a sede da ONU, em Nova Iorque. A espionagem à MINURSO adensou o nível da crise convertendo-a numa crise entre Marrocos e as Nações Unidas e transformou-se numa condenação direta da parte marroquina.

Fonte: WSHRW 

Sem comentários:

Publicar um comentário