quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Marrocos expulsa jornalista holandês




Rik Goverde foi expulso do país pelas autoridades marroquinas esta madrugada. Sete polícias vestidos à paisana cercaram o jornalista holandês Rik Goverde no centro de Rabat quando se dirigia a um banco para levantar dinheiro. Depois escoltaram-no até à esquadra central submetendo-o a um interrogatório de duas horas com o comissário de policia que o informou que seria expulso do pais. Não lhe disseram qual o motivo.

“O comissario disse-me que me iam expulsar do país, perguntei-lhe porquê, que não tinha feito nada, e ele disse-me que não sabia, eram ordens do Wali- o governador-“, explicou à Cadena Ser por telefone Rik Goverde.

Logo depois conduziram-no a casa para embalar os seus pertences e daí levaram-no para o porto de Tánger, onde o meteram no barco noturno em direção a Algeciras (Espanha).

Goverde chegou a Espanha às 3 da madrugada sem contactos nem conhecimento da língua: “Em sete horas expulsaram-me do país, disseram-me que a partir de Algeciras fizesse a minha vida. Não sei porquê, não faço ideia. A semana passada falei sobre o Sahara Ocidental na rádio mas fui objetivo, não fui contra Marrocos nem contra a Polisario, foi uma peça neutral; esta semana estive em Nador, e hoje falei na rádio sobre os atentados em Paris”…

A Embaixada da Holanda, contactada por jornalistas amigos de Goverde depois deste ter sido detido, afirmou também ignorar o motivo. O conselheiro Político da representação diplomática assegurou 2.ª feira que prosseguirá a investigação.

Os jornalistas estrangeiros têm que possuir um cartão de imprensa marroquino para trabalhar no país e apesar de Goverde ter entregue todos os papéis solicitados pelo ministério da Informação este nunca lho concedeu.
Rik chegou a Rabat em Outubro de 2013 como correspondente de um jornal holandês, mas posteriormente começou a trabalhar como ‘freelance’ para outros media estrangeiros.
A ong “Jornalistas sem Fronteiras” em Setembro passado manifestava a sua preocupação pela atual situação da falta de liberdade de informação em Marrocos. O país ocupa o 130.º no ranking dos 180 países que integram a Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa.
Os jornalistas marroquinos que se atrevem a transgredir as linhas vermelhas e criticam o Islão, a monarquia ou a política em relação ao Sahara Ocidental enfrentam multas ou pesadas penas de prisão. Os estrangeiros podem ser expulsos do país, como ocorreu esta madrugada com Rik Goverde.

Fonte: Cadena SER


Sem comentários:

Publicar um comentário