terça-feira, 1 de novembro de 2016

Assassinato de peixeiro espalha a revolta em Marrocos




Milhares de marroquinos manifestaram-se esta segunda feira em Alhucemas e Rabat para expressar o seu repúdio às políticas do rei de Marrocos, Mohamed VI e à corrupção existente no país

Os protestas em Marrocos contra o regime de Mohamed VI e o governo islamita de Ben Kirán são as primeiras com estas características que se realizam naquele país do norte de África desde o ano de 2011. Os manifestantes ainda não abandonaram as ruas e apelam a novas mobilizações. Cada vez mais sectores se unem ao protesto pedindo uma república marroquina. Os mais recentes sectores a juntarem-se ao protesto foram os estudantes, que convocaram uma greve geral.

Milhares de pessoas protestam em Rabat e Alhucemas pedindo reformas democráticas em Marrocos. Um grande número de polícias cercou os manifestantes, que preparam maiores manifestações esta noite e amanhã no centro da cidade que foi palco de violentos protestos.

As grandes manifestações de protesto que Marrocos tem conhecido resultaram do assassinato de um vendedor de peixe às mãos das forças da ordem.

Os protestos estenderam-se a Alhucemas, Tânger, Imzouren, Rabat, Casablanca, Marraquexe, Nador, Agadir e Oujda. As cidades mais importantes de Marrocos, tanto económica como politicamente.

Noutros países surgem também protestos de solidariedade, casos da França, onde em Paris teve lugar uma manifestação de apoio aos marroquinos que pedem a república. Também está convocada uma manifestação frente ao consulado de Marrocos em Espanha, Barcelona.


Fonte- EL Confidencial Saharaui

Sem comentários:

Publicar um comentário