sexta-feira, 15 de maio de 2020

Empresa norueguesa Equinor não voltará a exportar gás para o Sahara Ocidental ocupado



A empresa de energia norueguesa Equinor "lamenta" as exportações de gás para o Sahara Ocidental e promete que não se repetirão.
Em abril, um navio de gás liquefeito chegou ao porto de El Aaiún, no Sahara Ocidental ocupado, enviado diretamente do terminal da empresa norueguesa Equinor (antiga 'Statoil') em Kårstø, na Noruega. O incidente foi divulgado hoje pelo jornal norueguês Dagsavisen.

Este é o primeiro caso documentado de exportação de gás norueguês para os territórios ocupados. Em 20 de abril às 05:41, o navio ancorou em frente ao porto de El Aaiún, capital do Sahara Ocidental. Mais tarde, nesse mesmo dia, chegou ao porto para descarregar as suas 4.900 toneladas de gás.
Em carta ao Comité Norueguês de Apoio ao Sahara Ocidental com data de 24 de abril, o vice-presidente da Equinor confirma a remessa. A empresa afirmou que "lamenta" não ter levado em consideração os conselhos do governo norueguês sobre assuntos comerciais.
"No momento, estamos [...] modificando nossos procedimentos para nos alinharmos com a posição norueguesa", escreveu o vice-presidente da Equinor Tor Martin Anfinnsen ao Comité Norueguês de Apoio ao Sahara Ocidental em nome de Eldar Sætre, presidente da empresa.
A Equinor é a décima segunda maior empresa de energia do mundo, controlada por dois terços pelo governo norueguês. O Ministério das Relações Exteriores da Noruega exorta as empresas a não se envolverem no território.
Em abril do ano passado, a ministra das Relações Exteriores da Noruega declarou no Parlamento de Oslo que o seu governo concorda com as decisões do Tribunal de Justiça da UE: o direito internacional exige o consentimento prévio do povo saharaui em assuntos relacionados com negócios no Sahara Ocidental. A Equinor passa a ter agora uma posição alinhada com outras empresas pertencentes total ou parcialmente ao governo norueguês, como a Yara, Cermaq e Mesta.


O esclarecimento da Equinor responde a uma carta do Comité de Apoio da Noruega ao Sahara Ocidental, endereçada ao presidente da empresa em 21 de abril. A Equinor, no entanto, não respondeu a várias das questões sobre as quais o Comité de Suporte da Noruega perguntou, especificamente quem havia autorizado a empresa a enviar a carga para os territórios ocupados. Daí que o Comité tenha enviado uma segunda carta à Equinor em 25 de abril. Essa carta ainda não obteve resposta.
A Equinor explicou que a embarcação continha uma carga de butano para seu cliente Gulf Petrochem, ou GP Global, cujo nome a empresa mudou. A organização Western Sahara Resource Watch escreveu à GP Global em 24 de abril, perguntando se a empresa havia obtido o consentimento do povo saharaui para importar o gás e se a Equinor havia levantado a questão do consentimento antes da transação. A carga foi transportada a bordo do navio petroleiro de bandeira liberiana Gas Cerberus. Em 25 de abril, o WSRW na Grécia e o Comité de Suporte da Noruega escreveram uma carta ao operador de navio Stealth Corp. Nenhuma dessas cartas teve resposta.
A Equinor esclareceu hoje ao jornal Dagsavisen que a carga foi vendida à GP e que "essa carga foi revendida pela GP a outro cliente para entrega em El Aaiún, e enviamos a carga ali para a GP".



Dados do departamento de estatística norueguês Statistics Norway revelam o valor das exportações de gás norueguês para Marrocos na última década: em 2019, o valor das exportações de butano foi de 290 milhões coroas (26 milhões de euros ao câmbio de 2020), enquanto as exportações de propano foram de 357 milhões de coroas (EUR 32 milhões). As exportações também continuaram nos primeiros meses de 2020. Em maio de 2019, houve uma pequena exportação de gás condensado para Marrocos no valor de 7 milhões de coroas.
Todavia ainda não se sabe se o gás exportado da Noruega para Marrocos está sendo reexportado para o Sahara Ocidental.
Segundo dados publicados pela Western Sahara Resource Watch na semana passada, 15 transportes de gás foram realizados no território durante o ano civil de 2019. Eles vieram de Marrocos ou dos aliados mais próximos do ocupante: Espanha e França. Cinco dos 15 transportes chegaram ao Sahara Ocidental a partir de Marrocos, que não é um país produtor de gás. O Comité de Suporte da Noruega perguntou à Equinor em 21 de abril em que medida a Equinor exerce a devida diligência com os seus clientes e como considera a possibilidade de reexportação do gás de Marrocos para o Sahara Ocidental. Essas perguntas não foram respondidas na carta dde 24 de abril.

Fonte:Correio Diplomático Saharaui/WSRW - 11/05/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário