domingo, 10 de maio de 2020

10 de Maio, dia da da fundação da Frente Polisario. Uma luta admirável e heróica






Birlehllu, 10 Maio de 2020. -(ECSAHARAUI) Por Mohamed Salem Abdelhay/ECS

Insurreição revolucionária no Sahara espanhol (1956-1958)

Em outubro de 1956, o Exército de Libertação Nacional Marroquino (ALN) começou a infiltrar grupos armados no Sahara espanhol com a desculpa de atacar os postos fronteiriços do exército francês na Mauritânia. Em meados de 1957, o seu campo de ação expandiu-se para a colónia espanhola, através de aproximadamente 2.500 combatentes. Naquela época, para a estratégia marroquina, o Sahara espanhol era uma prioridade secundária,utilizando-o a seu favor para desviar a atenção do comando espanhol do seu efetivo objetivo principal: a região de Ifni.

As forças marroquinas que fracassaram os seus intentos em Ifni, começaram as hostilidades no Sahara espanhol, atacando a cidade de El Aaiún em 26 de novembro de 1957 na estação de Telata. Desde então e até 23 de dezembro, sucederam-se as tentativas de assalto à capital saharaui, mas sem sucesso.



Espanha cede a província de Tarfaya a Marrocos (1958)

A partir de 10 de fevereiro de 1958, Espanha e França desencadeiam ofensivas conjuntas e em simultâneo:

A "Operação Teide", que mobilizou 10.000 soldados e 100 aviões espanhóis, e a "Operação Ecouvillon", que mobilizou 5.000 homens e 70 aviões franceses. Duas semanas depois, os exércitos europeus esmagaram a insurreição e a "paz e ordem" colonial reinou novamente no Sahara espanhol e nos territórios vizinhos da Mauritânia e Marrocos.

A 1 de abril de 1958, a Espanha cedeu a região saharaui de Tarfaya a Marrocos a troco da garantia de que o Reino Marroquino não alteraria no futuro a paz na região sahariana.

Evolução social e económica do Sahara espanhol. (1960-1970)

Após a derrota da insurreição de 1958, o governo espanhol aplicou severas represálias contra a população saharaui e forçou milhares de famílias a procurar refúgio nos territórios fronteiriços de Marrocos, Argélia e Mauritânia.

Os eventos de 58 fizeram com que o governo de Madrid desse mais atenção à sua distante colónia. Ao longo dos anos 60, ocorreu um processo de mudanças económicas e sociais no Sahara espanhol. Em 1963, pesados investimentos foram feitos nas jazidas de fosfatos de Bu-Craá, o que estimulou a actividade económica da colónia e modificou os costumes da população indígena. Com a urbanização e o abandono progressivo da vida nómada, começa a formar-se uma consciência nacional saharaui.

Durante a década de 60, uma nova geração de independentistas, nascida de experiências e fracassos anteriores promove um nacionalismo renovador, baseado na consciência nacional e fundamentado em argumentos políticos.

Em novembro de 1960, a Assembléia Geral da ONU, na sua décima quinta sessão, aprovou a Resolução 1514 sobre o processo de descolonização das regiões coloniais que ainda subsistiam no mundo. O Comité Especial encarregado de implementar a referida resolução fez uma lista de territórios a serem descolonizados, que incluia o Sahara Ocidental.

Em 1966, o Comité Especial pede à Espanha que crie condições para realizar um referendo no Sahara, para que a população indígena pudesse expressar-se livremente sobre o seu futuro. O governo de Madrid aceita o pedido, mas o que faz é transformar o Sahara em um " província "espanhola introduzindo reformas no regime jurídico e administrativo da colónia e criando a Assembléia Geral do Sahara (Yemáa). Foi assim que o franquismo desperdiçou a oportunidade de proporcionar aos saharauis a sua independência.

Em 1968, um intelectual saharaui, Mohamed Sidi Ibrahim "Bassiri", funda o Movimento de Libertação do Sahara - MLS - para reivindicar pacificamente a independência do Sahara Ocidental. Em pouco tempo, o movimento agrega mais de centenas de militantes entre trabalhadores e operários da indústria, funcionários da administração colonial, estudantes, sargentos, cabos e soldados das tropas indígenas.



Antecedentes históricos da fundação da Frente Polisario (1970-1973)

Face às pressões internacionais, o governo de Madrid e o governador do Sahara desenvolvem e organizam atividade política em El Aaiún em 1970 com propósitos de propaganda para influenciar a opinião pública internacional. Esta atividade consistiu numa demonstração através da qual a população saharaui demonstraria a adesão ao Estado espanhol. Chamaram jornalistas e observadores para testemunhar o evento, mas o Movimento de Libertação do Sahara convoca os seus militantes e apoiantes para uma demonstração paralela para desmascarar a manobra colonialista.

Na manhã de 17 de junho de 1970, dia da manifestação de propaganda, alguns grupos reunem-se em frente da sede do governo, enquanto uma multidão maioritária enche uma praça gritando slogans pró-independência. À tarde, a Legião Espanhola abre fogo contra a multidão, causando numerosos mortes e feridos. Naquela noite, começa uma caçada aos líderes e militantes da MLS; centenas são presos; alguns desaparecem, incluindo o próprio líder "Basiri". Essa ação repressiva termina para sempre com os projetos de "geminação" entre espanhóis e saharauis.

Em consequência da repressão, a militância nacionalista dispersa-se por temor e muitos dos seus membros fugiam-nos nos países vizinhos, onde encontram ajuda das comunidades saharauis que lá residiam e reorganizam-se. Em 1971, grupos nacionalistas começam novamente a formar-se nas cidades de Zuerat, Tantán e Rabat. Foi precisamente em Rabat que surgiu um núcleo muito ativo de estudantes universitários, entre os quais se destaca El Uali Mustafa Sayed .

Este núcleo, ao longo de 1972, promove reuniões entre os vários grupos saharauis espalhados por Marrocos, Argélia e Mauritânia.



Frente Polisario, ideologia política e campo de ação (1973)

Em janeiro de 1973, as reuniões desses grupos multiplicam-se e fortalecem a sua coordenação. Desse modo, no final de abril de 1973, realiza-se uma conferência cujas sessões têm lugar de forma intermitente e em diferentes partes do deserto para enganar o serviço de inteligência franquista. Nessas sessões, decide-se criar uma organização político-militar para lutar pela independência. Em 10 de maio de 1973, em Zuerat, a conferência encerra as suas atividades fundando a Frente Popular de Libertação de Saguia El Hamra e Rio de Oro - Frente Polisario.

A Frente Polisario assume-se como um movimento de libertação nacional democrático e anticolonial. A organização reúne todos os setores e personalidades mais progressistas da sociedade saharaui, onde quer que estejam: exílio, regiões libertadas ou sob ocupação marroquina.

Seus principais objetivos são a total independência do SaHara Ocidental e a construção de um Estado moderno no contexto da integração regional do Magrebe. No plano internacional, a Frente Polisario defende a criação de um estado palestino, a unidade do mundo árabe e a eliminação de todas as formas de colonialismo em África.



A guerra de libertação nacional contra a Espanha (1973-1974)

A 20 de maio de 1973, dez dias após a sua fundação, a Frente Polisario realiza a sua primeira ação armada contra o colonialismo espanholo. O alvo era o posto policial de El Janga. A operação marca o início de uma guerra que logo excede a capacidade de controle da administração espanhola do território saharaui. As ações subsequentes aumentam o prestígio da Frente Polisario entre a população saharaui e os soldados nativos enquadrados no exército colonial.

1974 foi um ano chave para o fortalecimento do Exército de Libertação; Por um lado, ele multiplica as suas ações de combate e intensifica a sua campanha política para conquistar simpatizantes entre os soldados saharauis do exército adversário colonial. Por outro lado, começa a receber armas da Líbia e da Argélia.

Espanha ante a descolonização (1974-1975)

Diante da ofensiva saharaui, o governo espanhol tenta ganhar tempo para criar as bases para a construção de um futuro governo saharaui "independente", que garantiria os interesses económicos espanhóis. Em 20 de agosto de 1974, o regime de Franco envia uma nota ao Secretário-Geral da ONU anunciando a intenção de realizar um referendo sobre a autodeterminação no Sahara durante a primeira metade de 1975. Ao mesmo tempo, promove a formação de um partido político fiel aos interesses da Espanha denominado "Partido da União Nacional Saharaui" PUNS.



Fundação da Frente Polisario (1975)

Durante o ano de 1975, várias unidades militares saharauis passam-se para a Frente Polisario com veículos e armas. Ao longo desse ano, o Exército de Libertação toma sob seu controlo vários postos espanhóis e continua a fazer valer a sua segurança sob a vastidão do deserto.

Após dois anos e meio de guerra, a Frente Polisario coroa os seus esforços político-militares com a realização, a 12 de outubro de 1975, da Convenção para a Unidade Nacional, na cidade de Ain Ben Tili. Mas, já então, havia um acordo entre a Espanha e o Reino de Marrocos para a entrega do território saharaui.

Personalidades de todas as sensibilidades políticas favoráveis à independência comparecem à convocação da Frente Polisario: representantes, membros do Yemáa e alguns líderes do PUNS. Todos eles, no comando e sob a presidência de El Uali Mustafa Sayed, proclamam a união do povo em torno do programa e das estruturas da Frente Polisario, com o objetivo de alcançar a independência e defender a integridade territorial do Sahara. No programa, concordaram:

 - Libertar a nação de todas as formas de colonialismo e alcançar a total independência.

- Construir um regime republicano nacional com participação ativa e efetiva da população.

 - Construir uma autêntica unidade nacional.

- Criar uma economia nacional baseada no desenvolvimento agrícola e industrial, na nacionalização dos recursos de mineração e na proteção dos recursos marinhos.

 - Garantir as liberdades fundamentais dos cidadãos.

 - Distribuir de maneira justa a riqueza e eliminar desequilíbrios.

 - Combater todas as formas de exploração.

 - Garantir habitação para toda a população.

- Restaurar os direitos sociais e políticos das mulheres.

 - Estabelecer educação gratuita e obrigatória em todos os níveis e para toda a população.

 - Lutar contra doenças, construir hospitais e oferecer assistência médica gratuita





Sem comentários:

Publicar um comentário