sábado, 5 de novembro de 2016

Repórteres Sem Fronteiras pede a Marrocos que "levante todos os entraves à informação" no Sahara Ocidental


Paris, 4 nov 2016 (SPS)  Reporters sans frontières (RSF) pediu esta sexta-feira às autoridades marroquinas o "levantamento de todos os entraves à informação" no Sahara Ocidental sob ocupação marroquina, e o fim do "espezinhamento dos direito dos jornalistas saharauis e estrangeiros a cobrir" este território.      

"Agressões durante as manifestações, processos contra jornalistas-citdadãos saharauis, expulsão de jornalistas estrangeiros, manutenção de um controlo abusivo sobre a informação no Sahara Ocidental, as autoridades marroquinas tornam praticamente impossível o trabalho dos reporteres", afirma a RSF em comunicado.

Yasmine Kacha, diretora do Bureau
Áfrique do Norte de RSF

"Considerado como território não-autónomo pelas Nações Unidas, o Sahara Ocidental é actualmente controlado em mais de 80 % por Marrocos", lembra o comunicado, acrescentando que no terreno, a Missão das Nações Unidas para a Organização do Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO) está encarregada, além da consulta destinada a permitir aos habitantes habilitados a votar de decidir o estatuto futuro do território, de vigiar o cessar-fogo desde 1991 entre Marrocos e a Frente Polisario.

Os testemunhos recolhidos no território são "condenáveis" para as autoridades marroquinas, lamentou Yasmine Kacha, diretora do Bureau Áfrique do Norte de RSF, questionada sobre os limites "destas restrições severas" à liberdade de informação.

"Reportar livremente o que se passa nesta zona sob grande tensão é urgente e necessário, nomeadamente para fazer luz sobre as violações dos direitos do Homem, que a MINURSO não está mandatada a documentar", sublinha, citando a expulsão a 23 de outubro da jornalista (freelance) que realizava uma reportagem para o magazine do “Monde” sobre Dakhla, uma cidade saharaui sob ocupação.

"Durante a sua detenção, o seu cartão SIM e as suas contas de emails foram suspensos. Quatro outros jornalistas estrangeiros foram expulsos de Marrocos desde o início do ano", lembra Yasmine Kacha, acrescentando que a 30 de setembro passado, os jornalistas-cidadão da Equipe Media Sahara, Saïd Amidan e Brahim Laâjail, "foram presos pela polícia marroquina em Guelmim e mantidos incomunicáveis durante três dias".

Afirma ainda que, a 21 de agosto de 2016, Nazha Elkhaledi, correspondante da RASD-TV foi detida quando cobria uma manifestação organizada por mulheres saharauis na cidade de Foum El Ouad, perto de El Aaiun, capital do Sahara Ocidental ocupado.       




Sem comentários:

Publicar um comentário