quinta-feira, 26 de julho de 2018

Instituto Cervantes chega aos campos de refugiados saharauis?



O poeta e professor de literatura espanhola da Universidade de Granada Luis García Montero foi recentemente nomeado novo diretor do Instituto Cervantes. No seu discurso de tomada de posse como chefe da instituição, disse que promoverá "as diferentes línguas e culturas integradas na nação espanhola".

Com a sua nomeação é possível que se dê também um impulso à anunciada inauguração de uma sala de aula do Instituto Cervantes nos acampamentos saharauis de Tindouf, dado que García Montero tem uma longa história de apoio e manifestações à causa saharaui, para além de assinar manifestos para uma solução justa para o Sahara no âmbito da ONU.

Em junho de 2012, por exemplo, participou na manifestação diante da embaixada marroquina que exigia a libertação de dois presos políticos saharauis e antes, em 2009, apoiou a ativista saharaui Aminetu Haidar quando escreveu o artigo "Aminetu e a sinceridade".

Dado que em nenhum caso se trata de um problema económico, é de presumir que a instalação da sala de aula se venha a materializar, embora sempre tenha sido argumentado, como uma desculpa oficial para não o ter feito, que havia que procurar uma "fórmula" para ser legal . Atualmente, na Argélia, há dois Institutos Cervantes, em Argel e Oran, e nada impediria a criação de outro em Tindouf.

Devemos lembrar que o deputado socialista Odón Elorza apresentou em abril de 2017 uma proposta de lei sobre o Instituto Cervantes e a necessidade de "abrir uma antena na região de Tindouf" para promover a expansão da língua e da cultura espanhola entre os refugiados.

Na declaração explicativa que proferiu, o parlamentar socialista citou que o castelhano "tinha grandes raízes" no Sahara Ocidental quando era uma colónia espanhola, embora tenha sofrido um revés após o território ter passado para o governo marroquino em 1975 e pessoas de outras áreas Marrocos terem chegado, numa alusão aos colonos oriundos das áreas de língua francesa.

O compromisso da sala de aula em Tindouf existe desde que um grupo de escritores espanhóis solicitou em junho de 2004 que uma sala de aula fosse aberta, um pedido reiterado em 2010 pela Coordenação Estadual de Associações de Solidariedade com o Sahara (CEAS).

O espanhol, depois do hassania árabe, é a segunda língua da República Democrática Árabe Saharaui (RASD), apesar da falta de apoio do Instituto Cervantes que cita no seu relatório de 2017 os refugiados saharauis na Argélia, onde estão listados 175.000 refugiados – ou seja, o quarto país onde não é língua oficial e há mais falantes nativos de espanhol - e 48.000 pessoas com competência limitada.

Fonte e foto: Periodistas en español / Por Jesús Cabaleiro Larrán

Sem comentários:

Publicar um comentário