terça-feira, 11 de junho de 2019

“Repórteres Sem Fronteiras” denuncia a implacável perseguição marroquina aos jornalistas saharauis



  • RSF exige que Marrocos permita que a imprensa internacional entre no Sahara Ocidental
  • Insta o Governo marroquino a garantir processos judiciais justos para os jornalistas saharauis e o respeito pela sua integridade física e psicológica;
  • Exercer o jornalismo na ex-colónia espanhola é um "ato de heroísmo" e os seus protagonistas pagam com detenções arbitrárias, perseguição às suas famílias, tortura, sentenças injustas e prisão
  • Repórteres SF pede a Espanha e França para quebrarem o seu habitual "silêncio de cumplicidade" com Marrocos

Fonte e foto: Contramutis/Por Alfonso Lafarga - Repórteres Sem Fronteiras (RSF) denunciou hoje a perseguição sofrida por jornalistas saharauis por parte de Marrocos, que manipula com "mão de ferro" a informação no Sahara Ocidental, pune "implacavelmente" o exercício do jornalismo local e bloqueia o acesso dos media estrangeiros.
RSF exige que Marrocos permita que a imprensa internacional entre no Sahara Ocidental, com liberdade de movimento através do território, e ponha fim à expulsão de jornalistas, ao mesmo tempo que exorta o governo marroquino a garantir processos judiciais justos para o Jornalistas saharauis presos, e o atendimento das exigências da ONU em relação à sua libertação.
RSF, que promove e defende a liberdade de informar e ser informado no mundo, pede a Marrocos que cumpra a Convenção contra a Tortura das Nações Unidas e respeite a integridade física e psicológica dos jornalistas saharauis, pedindo simultaneamente respeito pelos direitos fundamentais no Sahara Ocidental", incluindo a liberdade de expressão e informação, que garanta não só o direito dos jornalistas saharauis a exercer o jornalismo livre, mas o direito dos cidadãos saharauis a receberem informações plurais e verdadeiras" .



Estas denúncias e exigências constam do primeiro relatório mundial sobre a situação da liberdade de imprensa no Sahara Ocidental, "um dos lugares mais áridos do mundo para informação e jornalismo", realizado pela seção espanhola de RSF e de que é autora Edith R. Cachera, relatora e correspondente da RSF em Espanha. Apresentado hoje, 11 de junho de 2019, na Associação de Imprensa de Madrid (APM), o evento contou com a participação da presidente dos jornalistas de Madrid, Victoria Prego; do presidente da RSF Espanha, Alfonso Armada; do presidente da Federação das Associações de Jornalistas da Espanha (FAPE), Nemesio Rodríguez, e do jornalista saharaui Ahmed Ettanji, fundador e presidente do coletivo Equipe Média.
O relatório analisa em detalhe a perseguição sofrida pelos jornalistas saharauis por parte de Marrocos, que ocupa o 135º lugar entre os 180 países e territórios analisados pela RSF World Press Freedom Classification: "Esta posição terrível, que coloca o reino alauíta entre os países mais inquisitórios para o jornalismo, deve-se em parte à mão de ferro que se aplica aos jornalistas de territórios "incómodos", como o Rif - cujos protestos foram esmagados há dois anos, com graves consequências para os repórteres locais que cobriam os acontecimentos - e o Sahara Ocidental ".

O silêncio cúmplice de Espanha e França
A RSF também interpela a União Europeia, "e especialmente os governos da Espanha e da França", para que "quebrem o seu habitual silêncio cúmplice com o Marrocos e condenem a repressão dos jornalistas saharauis".
O relatório, que faz uma visita à história da última colónia africana, abandonada pela Espanha e ocupada há mais de 43 anos por Marrocos, expõe os nomes e as circunstâncias dos jornalistas saharauis condenados à prisão, bem como a mordaça que foi imposta aos reporteres locais e aos estrangeiros. Cinco jornalistas saharauis cumprem penas elevadas nas prisões marroquinas, um deles preso por toda a vida; outro foi libertado a 7 de maio depois de quatro anos de prisão.
A RSF ouviu a opinião de vários jornalistas, espanhóis e de origem saharaui, que denunciam o silêncio da imprensa em Espanha, dando o exemplo de Portugal que, com uma imprensa muito mais modesta, demonstrou mais sensibilidade em relação a ex-colónias como Timor-Leste do que a evidenciada pela imprensa espanhola com o Sahara, que é quase nula.
Há também uma crítica à Frente Polisario, o movimento de libertação saharaui, de que se diz "baseado em slogans de propaganda que mudaram muito pouco desde a estética dos anos 70", com uma linguagem nada atraente para alguns meios de comunicação e algumas redes sociais que exigem histórias que vão para além do mero slogan político.
Os jornalistas consultados reclamam a falta de um departamento de comunicação activo na Delegação Saharaui para a Espanha e de uma estratégia de comunicação por parte das autoridades saharauis e do movimento de solidariedade com o Sahara.

Jornalistas na clandestinidade
A RSF afirma que, apesar da severa repressão de Marrocos e do silêncio dos media internacionais, "uma nova geração de repórteres saharauis corre riscos extraordinários para manter viva a chama do jornalismo e impedir que o Sahara Ocidental seja enterrado pelas areias do esquecimento": Eles desafiam o férreo controle marroquino e organizam-se na clandestinidade para dizer o que o governo de Rabat não quer que seja conhecido.
Fazem-no grupos de jornalistas como a Equipe Média ou a Smara News, que filmam nos telhados e, com uma organização meticulosa, divulgam seu trabalho na Internet em espanhol, francês, inglês e árabe.
Exercer jornalismo no Sahara Ocidental é "um ato de heroísmo", cujos protagonistas pagam com detenções arbitrárias, assédio de suas famílias, difamação, tortura, prisão e "sentenças tão pesadas quanto injustas", segundo Repórteres Sem Fronteiras, que conta que os jornalistas saharauís são acusados de alegados crimes cada vez mais "criativos" – caso da acusação contra a jornalista Nazha El Khalidi de exercer a profissão sem um título oficial - para "torpedear qualquer indício de continuidade no exercício da sua profissão" e manietá-los "com parciais e pesados processos judiciais contra eles.
Neste contexto, os jornalistas saharauis conseguiram o reconhecimento de numerosas organizações e meios internacionais, que já os utilizam como principal fonte de informação para o Sahara Ocidental.

Leia o relatório aqui: https://bit.ly/2Wzwwzf



Sem comentários:

Publicar um comentário