domingo, 1 de março de 2020

Presidente do Parlamento da Catalunha protesta contra a expulsão de deputados no Sahara




Barcelona, ​​28 de fevereiro de 2020 (EFE) - O presidente do Parlamento catalão, Roger Torrent, manifestou na sexta-feira o seu protesto pela expulsão de uma delegação catalã formada por vários deputados que desejavam visitar o território do Sahara Ocidental, acção impedida pelo governo de Marrocos.

Hoje, o governo marroquino expulsou oito cidadãos catalães do território do Sahara Ocidental, entre os quais deputados, parlamentares de vários municípios e membros de uma ONG prosaharaui.

Numa declaração emitida pelo Intergrupo para a Paz e Liberdade do Sahara do Parlamento Catalão, a expulsão é denunciada e lamentada, que surge após as autoridades marroquinas recusarem a entrada no país da delegação catalã.

O presidente do Parlamento, Roger Torrent, assim como a coordenadora do mencionado intergrupo, Adriana Delgado, coincidiram em denunciar o incidente internacional e recordam que a viagem contava com o apoio de todos os grupos parlamentares e tinha sido autorizada pela Mesa da câmara legislativa catalã.

A delegação era constituída pelos deputados Ferran Civit (ERC), Susana Segovia (Catalunha em Comú Podem) e Vidal Aragonès (CUP), além de representantes de entidades que trabalham pelos direitos humanos, e tinham como objectivo reunir-se em El Aaiún com defensores Saharauis de organizações de direitos humanos.

Os representantes do Intergrupo viajaram de avião para El Aaiún de Las Palmas, mas não conseguiram sair do avião, apesar de já terem realizado os procedimentos legais relevantes, e o que aconteceu coincide com episódios semelhantes vividos por delegações anteriores de deputados de outras câmaras parlamentares.

O presidente Torrent entrou em contacto com a delegação catalã e ofereceu a possibilidade de executar medidas oficiais em relação ao que considera uma "violação de direitos" numa visita que coincide com o 44º aniversário da proclamação da República Democrática Árabe do Sahara.

A delegação catalã está programada para desembarcar em Las Palmas de Gran Canarias hoje à noite, de onde fará uma viagem de regresso a Barcelona.

O diretor do Fundo Catalão de Cooperação para o Desenvolvimento (FCCD), David Minoves, e o presidente da Coordenação Catalã das Autarquias Solidárias com o Povo Saharaui (CCAPS), Gemma Aristoy, lamentaram que as autoridades marroquinas tenham impedido a visita.

Minoves e Aristoy consideram, em comunicado, "decepcionante, desconcertante e preocupante" que "as mesmas autoridades marroquinas que convidam a trabalhar em cooperação para apoiar projetos de desenvolvimento" são aquelas que agora impedem a entrada de parlamentares e autoridades municipais catalãs ".

A delegação catalã planeava reunir-se em El Aaiún com defensores saharauis de organizações de direitos humanos, e nenhuma fonte marroquina até agora se pronunciou sobre as expulsões, que também são frequentes.

No ano passado, 43 ativistas estrangeiros que simpatizavam com a independência saharaui, a maioria espanhola, foram expulsos do Sahara, de acordo com a Equipe Média, uma plataforma de jornalistas saharauis. EFE


Sem comentários:

Publicar um comentário