domingo, 26 de abril de 2020

Marrocos - A fortuna de um rei rico, a desgraça de uma população pobre



Mohamed VI

AlgeriePart - artigo de Abdou Semmar - 24 de abril de 2020

Desde a morte de Hassan II, em julho de 1999, seu filho Mohammed VI tornou-se em 2020 um dos monarcas mais ricos do mundo, mas essa fortuna insolente afronta uma população marroquina que sofre por causa das profundas desigualdades sociais que prevalecem em Marrocos, e cujos indivíduos permanecem sujeitos a violenta repressão política e policial.

Com 8,2 mil milhões de dólares (7,6 mil milhões de euros), o monarca aluita, de 56 anos, ocupa o nono lugar no ranking dos monarcas mais ricos elaborado pela publicação inglesa Love Money em março de 2020.

Uma riqueza que proporciona à família real um estilo de vida indecente aos olhos da população, como demonstram as despesas operacionais do Palácio Real em 2020, estimadas em mais de 230 milhões de euros, o dobro do valor das orçadas pelo Palácio do Eliseu, que são no mesmo ano de 105,316 milhões de dólares! Sobretudo se compararmos que o Produto Interno Bruto marroquino foi avaliado em 2019 em 122 mil milhões de euros, 22 vezes menos que o da França, que excede os 2700 mil milhões de euros!

Tal é a incongruência de tais encargos, que ninguém pode explicar e que, no entanto, poderiam ser usados para diminuir a divisão social e a miséria na qual mais de 10 milhões de marroquinos sobrevivem (nota: Marrocos tem uma população superior a 36 milhões de habitantes).

De facto, muitos se perguntam qual é a utilidade dos vinte palácios, esses milhares de hectares de terras agrícolas confiscados principalmente por Hassan II, o Iate de 90 milhões de dólares, o relógio de 1,2 milhão de dólares ou os 5 milhões de euros por uma semana de férias que o monarca marroquino passou com sua família nas ilhas gregas…

Uma orgia de riqueza que não é mais defendida , exceto pelos poucos cortesãos de um rei cuja ganância pelo luxo não é mais um segredo, e que em nada benefia o povo do Reino Cherifiano. E é assim que Marrocos regista um baixo índice de desenvolvimento humano, que coloca o país no último relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), num não muito brilhante 121º lugar entre 189 países ...

Segundo o Banco Mundial metade da população de Marrocos
está abaixo do limiar de pobreza ou padece de grandes carências


A riqueza do Rei de Marrocos, que ainda assim recebe um salário superior a 40.000 euros mensais, decorre em grande parte dos investimentos que realizou com a Holding Al Mada, antiga Société Nationale d'Investissement (SNI), que se apoderou de vários setores promissores (bancos, seguros, telecomunicações, metalurgia, imóveis, minas, energias renováveis, distribuição ...), tanto em Marrocos como no exterior.

A Al Mada Holding é supervisionada por duas outras holdings também pertencentes à família real: a Siger e a Ergis.

Da mesma forma, cada um dos irmãos e irmãs de Mohammed VI tem a sua própria holding: Providence, para o príncipe Moulay Rachid, e Unihold, Yano Participation e Star Finance, respectivamente, para as princesas Lalla Meryem, Lalla Asma e Lalla Hasna e que lhes asseguram milhões de euros de receita a cada ano ...

Este sucesso fulgurante da família real nos negócios, o Makhzen deve a Mounir El Majidi.

Mounir Majidi, nascido em 19 de janeiro de 1965 em Rabat, presidiu na sombra durante dez anos à associação que administra o famoso festival Mawazine de Rabat, antes de entregar a administração a Abdeslam Ahizoune, outro adulador do palácio, ex-ministro dos Correios e Telecomunicações, das Telecomunicações e atual presidente da Maroc Telecom…

Mounir Majidi, citado no escândalo dos Panama Papers, é o homem de confiança de Mohammed VI. Ele é seu secretário particular desde 2000 e desde 2020 presidente da Siger, principal acionista da holding de controle e da National Investment Company (SNI), que absorveu a Omnium Nord Africaine(ONA), que se tornou em 2018 a holding real Al Mada.

Foi Majidi quem fez de Al Mada a maior holding privada do Marrocos e a ponta de lança das reformas económicas do país.

Hassan Ouriaghli, amigo de Mounir Majidi, foi nomeado diretor da Al Mada em 2014, presidente do conselho executivo da Enterprise Optorg, subsidiária da El Mada em Paris, cujo objetivo corporativo é a distribuição especializada, incluindo equipamentos industriais e distribuição automovel na África. O Rei também é um concessionário de carros ...

Por fim, refira-se que é Majidi quem é o principal arquitecto da política de investimentos nos países do Sahel e em todo o continente africano. Foi ele quem levou o Attijariwafa Bank a se tornar a primeira rede bancária da África, com 4.930 agências e mais de mil milhões de dólares investidos no continente desde 2010. banco que é maioritariamente detido pelo fundo Royal Al Mada ...

Foi através dela que o Rei de Marrocos prometeu “ajudar” os africanos a se desenvolverem e exigiu, em novembro de 2019, a Mohamed El Kettani, CEO do banco Attijariwafabank, que assinasse um memorando de entendimento com o fundo africano African Guarantee Fund, com o objetivo de incentivar o financiamento às PME africanas ... Investimentos que tardam em se materializar devido à crise financeira, dizem!

Mas o sucesso nos negócios da família real e de uma casta reduzida de pessoas ricas próximas do Makhzen não conseguiu esconder os escândalos e outras facetas pouco brilhantes do trono, que Rabat sempre tentou ocultar. Em vão ...



Com efeito, o website jornalístico marroquino Ledesk havia investigado e publicado vários artigos sobre empresas offshore envolvendo o rei Mohammed VI, como a SMCD Ltd, registada nas Ilhas Virgens e gerida por Mounir Majidi e cujo beneficiário efetivo é o Rei Mohammed VI. Esta empresa foi citada como acionista de outra empresa, a Alliances Développement Immobilier (ADI), listada na Bolsa de Valores de Casablanca ...

Isso mostra que o dinheiro do reino é transferido para o exterior para escapar ao fisco, depositado em paraísos fiscais e depois lavado novamente em Marrocos por aquele que já foi designado Rei dos pobres ... Qualificativo que não durou muito.

Em 2015 foram feitas novas revelações de contas bancárias abertas em 11 de outubro de 2006 no HSBC Private Bank na Suíça, co-detidas com o seu secretário particular, Mounir El-Majidi, o que chocou a opinião pública em Marrocos. Há que sublinhar que, entre o último trimestre de 2006 e 31 de março de 2007, o saldo máximo dessa conta foi de 7,9 milhões de euros, mas, simultaneamente, os marroquinos residentes em Marrocos estavam proibidos de manter qualquer tipo de conta bancária no estrangeiro…

Essas revelações atingem imenso a família real já que informam a opinião pública marroquina da discrepância entre o esplendor da dinastia Aluita e seus protegidos, em contraste com as condições sociais e económicas de um povo cuja vida quotidiana continua a deteriorar-se como o refere o último relatório do Banco Mundial ...

Para fazer face à enxurrada de informações sobre o perturbador “affaire(ismo)” da família real por uma imprensa livre e independente, o Makhzen, como sempre, recorre aos únicos métodos que conhece e que ele particularmente gosta para silenciar qualquer desafio democrático: assédio judicial, desinformação, manipulação e chantagem. Um verdadeiro programa!

Em 2012, o jornal Le Monde publicou um caso de corrupção referente ao fornecedor americano de equipamentos aeronáuticos Baysis envolvendo Majidi. Ahmed Benchemsi, pesquisador da Universidade de Stanford (EUA) e ex-diretor da revista marroquina "TelQuel", foi o autor deste excelente artigo. Ele afirmava que "o Majidi, o maior anunciante do país, demonstra a sua capacidade de boicotar jornais até os levar à falência ".

Na verdade, ele está à frente de um gigantesco negócio de publicidade pública e que goza de todas as facilidades em vários municípios marroquinos ...

As palavras de Benchemsi são confirmadas pelo pesquisador e professor de relações internacionais Jesùs Garcia Luengos e por Laurence Thieux, no seu relatório sobre os Media Online em Marrocos:

"A imprensa on-line manteve algumas das deficiências da imprensa escrita, já que parte dela se alinha com os partidos políticos e alimenta a polarização da cena política entre o PJD e o PMA. Estes dois partidos investiram pesadamente em novas tecnologias da informação (NTI) para ampliar as suas bases de influência. Ambos têm a sua própria rede de media, que controlam direta ou indiretamente. Segundo alguns especialistas, o Partido da Autenticidade e Modernidade (PAM), criado por Fouad Ali Himma, conselheiro e amigo de infância do Rei, influenciou decisivamente várias órgãos de informação com contribuições económicas substanciais e das quais se viriam a tornar dependentes para garantir a sua viabilidade financeira .''

Refira-se que Fouad Ali El Himma foi colega de escola do Rei Mohammed VI e também colega de infância de Mounir Majidi com quem coabitou quando Majidi foi “adotado” pela princesa Lalla Nezha, irmã de Hassan II, para fazer companhia ao seu filho Naoufel Osmani.

O governo marroquino, totalmente submisso ao Makhzen, está perdendo toda a credibilidade popular; usa todo o seu poder e todos os subterfúgios para tentar proteger o Trono e fazer esquecer o estilo de vida sumptuoso do Rei e da sua Corte no espírito de uma tradição ancestral e arcaica, enquanto milhões de cidadãos marroquinos vivem abaixo da linha da pobreza.

É esta situação que o movimento de contestação rifenho, simbolizado na pessoa de Nasser Zefzafi, natural de El Hoceima, no Rif, torturado e enclausurado na prisão por 20 anos, denunciou, ao mesmo tempo que reclamava uma melhor situação socio-económica para os seus concidadãos.

Para combater as incessantes reivindicações de um povo partirizado, que apenas encontram eco numa certa imprensa estrangeira, o governo marroquino usa a imprensa local às suas ordens, lisonjeira e obsequiosa como um beijo-mão real, com ‘notícias’ muitas vezes fabricadas pela própria polícia política do Reino cherifiano.

Exemplos disso são os canais de TV Medi 1 ou 2M, bem como o portal em árabe e francês le360.ma. Este órgão pertence à empresa Edit Holding, propriedade da Sra. Aïcha Bouayad-Amor, ex-diretora de comunicação do banco Société Générale em Marrocos, e do galerista e crítico de arte, Aziz Daki, notoriamente muito próximo de Mounir Majidi, o qual o recrutou como diretor artístico e porta-voz do Mawazine Festival, quando aquele iniciou sua carreira profissional como simples jornalista no jornal Aujourd’hui le Maroc, no qual trabalhou durante quatro anos. Um jornalista que nunca fez nada além de maquilhar a verdade para os seus concidadãos ...

É assim que funciona Marrocos, um país de castas e intocáveis compensados por uma família real de acordo com as mentiras que espalham sobre o Sahara Ocidental, sobre o poderoso vizinho Argélia ou mesmo sobre os democratas que aspiram a melhores dias ...

Este sistema de predação constituído por pressões, intrigas cortesãs e corrupção é, em última análise, benéfico apenas para a Coroa. Ele apenas mantem a sua capacidade de reprimir populações e evitar uma revolta contra um reino inteiramente voltado para o único desenvolvimento da fortuna real em detrimento de todo um povo.

Texto original:


Sem comentários:

Publicar um comentário