segunda-feira, 28 de setembro de 2020

Brahim Gali: “A missão principal da MINURSO é organizar o referendo, devendo o seu desvio do mandato original ser corrigido sem demora”



Genebra, 16 de setembro de 2020 (SPS) - O Secretário-Geral da Frente Polisário e Presidente da RASD, Brahim Gali, afirmou que a situação atual no Sahara Ocidental devido à paralisação do processo constitui o caso mais óbvio de fracasso das Nações Unidas das suas obrigações e responsabilidades pela paz e segurança internacionais

Neste sentido, e após três décadas da assinatura do acordo de cessar-fogo e do destacamento da Missão das Nações Unidas para a Organização de Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO), este referendo ainda não foi organizado pela ausência de uma vontade política real por parte do Conselho de Segurança da ONU e à intransigência da potência ocupante, Marrocos.

Gali, num discurso dirigido à conferência internacional organizada pelo Grupo de Genebra em Apoio ao Sahara Ocidental sob o título (60º aniversário da Resolução 1514 da Assembleia Geral das Nações Unidas e sua implementação no Sahara Ocidental), reiterou que o povo saharaui demonstrou ao longo das últimas três décadas a solidez do seu empenho pela paz como opção estratégica.

O dirigente saharaui referiu que o Reino de Marrocos, força militar que ocupa partes do território, em vez de cooperar positivamente com as garantias da Frente Polisário, sem ter em conta a legitimidade internacional e as suas resoluções, seguiu o caminho errado que nos obriga a tomar a decisão atual de reconsiderar a nossa participação no processo político na sua forma atual.

A atual missão da ONU (MINURSO) tornou-se gradualmente uma ferramenta para consolidar a ocupação marroquina em vez de encerrá-la de acordo com a Resolução 690, que foi estabelecida como resultado da assinatura do acordo de cessar-fogo entre as duas partes em conflito, a Frente Polisario e Marrocos em 1991.

Perante esta situação inaceitável, o Presidente da República sublinhou que a direcção nacional está a dar passos concretos para traduzir a decisão em medidas concretas no terreno para corrigir esta anomalia e devolver a MINURSO ao caminho do seu mandato original, que é a organização a referendo para determinar o destino do povo saharaui.

SPS

Sem comentários:

Publicar um comentário