quinta-feira, 4 de abril de 2013

François Hollande reafirma o apoio da França a uma solução política baseada nas resoluções do Conselho de Segurança



O Presidente francês François Hollande, de visita oficial a Marrocos, reiterou hoje, quinta-feira, ante o Parlamento marroquino, o apoio de França a uma solução política aceitável para o conflito do Sahara Ocidental na base das resoluções do Conselho de Segurança.

Após um longo discurso tecendo loas e glorificando Marrocos, Hollande desiludiu certamente a classe política marroquina. O apoio esperado foi para "as iniciativas do Secretário-Geral da ONU para resolver o conflito do Sahara Ocidental em conformidade com as resoluções do Conselho de Segurança", embora como contraponto compensatório tenha declarado também que "a França considera o plano de autonomia marroquino de 2007 sério e credível".

Referindo-se à "questão pendente de solução desde há mais de 30 anos", Holland afirmou que "a crise no Sahel torna ainda mais urgente a necessidade de pôr fim a esta situação".

O discurso do Presidente francês é considerado por fontes diplomáticas como um câmbio na posição de Paris comparado com o apoio cego e parcial ao plano de autonomia proposto por Marrocos.

François Hollande recordou que "as condições de vida dos habitantes desta região devem ser melhoradas", respondendo a um apelo das ONG que o haviam convidado a exercer pressão sobre Marrocos no que se refere ao respeito pelos direitos humanos no Sahara Ocidental e em Marrocos.

Porém, o Presidente «omitiu» do seu discurso uma frase sobre o respeito pelos direitos do Homem em Marrocos e que constava do texto original da sua intervenção distribuída aos jornalistas.

François Hollande limitou-se a dizer que em Marrocos há «impaciências a apaziguar e desigualdades e reduzir». Mas segundo o texto do discurso distribuído antes pelos serviços do Eliseu aos jornalistas franceses, uma segunda frase deveria ter sido proferida e não foi:
«e reformas a prosseguir no sentido do respeito pelos direitos humanos.»

Fonte: várias

Sem comentários:

Publicar um comentário