segunda-feira, 6 de maio de 2013

Bandeiras dos EUA e da ONU nas manifestações de El Aaiún para pedir a autodeterminação do Povo Saharaui




Na noite de sábado 04-05-2013, na cidade ocupada de El Aaiún, o vicepresidente da CODAPSO, Hmad Hammad, falou sobre as mainfestações organizadas de forma pacífica nessa mesma tarde em El Aaiun, a que puderam presenciar uma importante delegação de meios dos Estados Unidos e Grã -Bretanha que, entre eles Albany, New York Times, Washington  Post, BBC, CNN, The Guardian, Sky News, Foreign Policy, The Boston Globe y e o Herald Tribune.

Hmad Hammad estima que os manifestantes se calculam em muitos milhares de pessoas de todas as idades mulheres e homens, muitos jovens e até crianças. Segundo o defensor dos direitos humanos é a primeira vez, depois de 38 anos de ocupação, que se viu algo de semelhante nas ruas da cidades ocupada por Marrocos desde 1976, após o abandono espanhol da sua ex-colónia. Os manifestantes ocuparon a avenida Smara, a principal artéria da cidade. Milhares de bandeiras saharauis foram desfraldaldas juntamente com bandeiras da ONU e dos EUA, numa homenagem dos manifestantes saharauis à proposta que os Estados Unidos apresentaram ao Conselho de Segurança para que a MUINURSO no Sahara se ocupasse da proteção dos direitos humanos no território e que acabou por seu recusada.


Os manifestantes empunhavam pancartas escritas em espanhol e inglês em que se podía ler: “Libertad, Fredoom, Pueblo Saharaui Unido es Uno, El Pueblo Saharaui Exige su Derecho a la Autodeterminación y la Independencia, Sahara libre, Viva Polisario y Fuera Marruecos.” Segundo o defensor de direitos humanos todo ocorreu ante a presença e as câmaras da delegação internacional da imprensa dos EUA e Grã-Bretanha. Os militares marroquinos não carregaram contra os manifestantes, até que no final, e após a retirada da imprensa para se reunir com os defensores saharauis dos direitos humanos, os serviços militares e as forças auxiliares desataram a sua ira contra os manifestantes para os dispersar e perseguir em diferentes zonas da cidade. Essas forças também atacaram uma dezena de domicílios saharauis, entre os quais a casa da ativista de direitos humanos Aminetu Haidar quando esta se encontrava em seu domicílio reunida com a imprensa norte-americana e britânica, quebrando as vidraças das suas janelas e o seu veículo. Come la esteva o defensor saharaui de direitos humanos Laarbi Mesaud.

Fonte: codapso.com/poemariosaharalibre.blogspot.pt

Sem comentários:

Publicar um comentário