quinta-feira, 7 de março de 2019

Equipe Media Sahara obtém o prémio jornalístico Julio Anguita Parrado



Equipe Media, agência de imprensa criada em 2009 no Sahara Ocidental, que denuncia a violação dos direitos humanos da população que vive naquele território controlado por Marrocos, obteve o XII Prémio de Jornalismo Julio Anguita Parrado, segundo foi tornado público esta quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019, em Córdoba.

O júri valorizou o "esforço coletivo da Equipe Media para fazer um jornalismo de alta qualidade, em quatro idiomas, que fornece informações para jornalistas de todo o mundo e se esforça por divulgar um conflito esquecido pelos media".
A Equipe Media é, muitas vezes, "a única fonte de informação sobre os problemas vividos pela população saharaui, com grande risco para a sua segurança e integridade física". Um dos seus fundadores, Ahmed Brahim Ettanji, de 31 anos esteve recentemente em Espanha, nomeadamente em Valencia e Saragoça.
Vários de seus jornalistas foram presos e agredidos por fazer o seu trabalho. Atualmente, cinco membros da Equipe Media estão presos.
Entre os últimas detenções de que o coletivo foi alvo estão Mohamed Salem Mayaram, em janeiro passado, após uma visita aos campos de refugiados de Tindouf. Também Mohamed Barkan, preso depois de chegar da Suécia, onde colaborou com o documentário "Três câmeras roubadas" feito em 2017 e precisamente onde a repressão da mídia no território saharaui é denunciada.


O coordenador da Equipe Media, o já mencionado Mohamed Salem Mayara, afirma que é "um reconhecimento da luta justa do povo saharaui" e sublinhou que "as políticas e agressões do regime marroquino aos jornalistas saharauis não conseguirão silenciar a verdade nas áreas ocupadas" do Sahara Ocidental ".
O prémio jornalístico Julio Anguita Parrado é organizado pelo Sindicato de Jornalistas da Andaluzia (SPA) o em homenagem ao profissional que morreu a 7 de abril de 2003 na guerra do Iraque.

Sem comentários:

Publicar um comentário