sábado, 21 de março de 2020

Terrorismo na Europa: “The Moroccan Connection”




O diário online ECSAHARAUI repega um artigo publicado pelo Washington Institut sobre os atentados terroristas na Europa e a “The Moroccan Connection”.

Os últimos ataques terroristas em Espanha, França, Bélgica e Finlândia estiveram ligados quase exclusivamente a jovens de origem marroquina, levantando preocupações de que o Reino se tornou um terreno fértil para jihadistas. Dos doze supostos cúmplices dos ataques em Barcelona e Cambrils que mataram quinze pessoas em 17 de agosto de 2017, todos, exceto um, eram cidadãos marroquinos ou espanhóis de descendência marroquina, e o atípico nasceu em Melilla, um dos dois pequenos enclaves de Espanha ao norte de Marrocos.
Da mesma forma, das cinco pessoas presas por suposto envolvimento no ataque à facada que matou dois cidadãos finlandeses em 18 de agosto de 2017, todas eram de origem marroquina.
As redes marroquinas também estiveram envolvidas em pelo menos três ataques terroristas de alto nível na Europa nos últimos quatro anos, incluindo o ataque terrorista de novembro de 2015 em Paris, o ataque de março de 2016 em Bruxelas e o ataque fracassado à estação Bruxelas Central em maio de 2017.
Em alguns desses casos, os indivíduos radicalizados provinham de contextos social e economicamente marginalizados, levando alguns analistas a se concentrarem nos possíveis vínculos entre o terrorismo e a integração de imigrantes na sociedade europeia. Esse parece ter sido o caso do incidente de Turku, na Finlândia, no qual o grupo consistia em requerentes de asilo em grande parte subempregados, transitórios e mal-sucedidos ou menores delinquentes. Mas no ataque de Barcelona, ​​a maioria dos autores estava relativamente bem integrada nas comunidades espanholas e não sofria de dificuldades económicas demonstráveis.
Em vez disso, a ideologia parece ter sido o combustível dominante para esse ataque, uma vez que os terroristas tinham por inspiração um imã local nascido em Marrocos que havia desenvolvido laços com o Estado Islâmico (IS), mantia contato regular com as autoridades de Rabat e com marroquinos no exterior e também com a CNI, o serviço de inteligência espanhol, conforme é relatado pelo Washington Institut.
A propaganda do Estado Islâmico, incluindo os seus websites em espanhol e redes sociais, intensificou recentemente o seu foco no "Al-Andalus", como os extremistas islâmicos chamam a Espanha em referência à sua longa história sob vários governantes muçulmanos (711-1492). ) Após os ataques, o Estado Islâmico reivindicou os autores como "soldados" e "mujahedin".



Ligações com os detidos do 11M e prisão em Castellón (Espanha)
EXTREMISMO ISLAMISTA EM MARROCOS

Se os marroquinos na Europa atraíram cada vez mais atenção pelo seu envolvimento em ataques terroristas, como o de Barcelona, o próprio Marrocos conseguiu aparentemente conter o seu problema de terrorismo interno na última década e meia. Em 2003, em vários ataques coordenados a locais judeus e europeus, doze homens-bomba mataram 33 pessoas em Casablanca. Desde então, a monarquia tem dedicado recursos consideráveis para combater o extremismo no país, implementando uma combinação de medidas de segurança robustas, às vezes controversas, e iniciativas educacionais destinadas a rejeitar o terrorismo.
No campo da segurança, uma lei antiterrorista de 2003, aprovada após os atentados de Casablanca, expandiu significativamente a segurança do Estado e os dispositivos internos de recolha de informações, todos operando sob a supervisão direta do Palácio Real Marroquino. (Questões fora das esferas de política externa, segurança e religião geralmente são deixadas para uma legislatura eleita popularmente, cujo elemento mais importante é o Partido Justiça e Desenvolvimento, um partido moderadamente islâmico que promete lealdade à monarquia.)
A lei de 2003 foi criticada por grupos de direitos humanos por ampliar a definição de terrorismo para incluir todas as ações consideradas uma ameaça à ordem pública, impor a pena de morte a terroristas condenados e aumentar para dez o número de dias durante os quais oficiais de segurança podem prender um suspeito de terrorismo antes de lhe fornecerem a possibilidade de acesso a um advogado.
De facto, de acordo com estimativas não oficiais de especialistas ocidentais, entre 2012 e 2014, 1.122 marroquinos deixaram o Reino para se juntar ao EI na Síria e no Iraque, e acredita-se que outros 300 se juntaram à organização do grupo jihadista auto-proclamado na Líbia. Na procura de conter a onda externa desses combatentes, o governo em 2014 alterou a lei antiterrorista impondo multas daté 500.000 dirhams marroquinos (60.000 dólares) e penas de prisão de cinco a quinze anos para os cidadãos que desejam ingressar em organizações armadas dentro do país ou no exterior. Ainda assim, estimativas recentes de marroquinos que combatem o ISIS oscilam em torno de 1.500 e saltam para 2.500 quando incluem europeus descendentes de marroquinos.
Ironicamente, nos meses que antecederam os incidentes de Barcelona e Turku, a presença da polícia marroquina na região costeira do norte foi visivelmente reforçada, não tanto para prender terroristas, mas para monitorar atividades de protesto político focadas na cidade portuária de Al-Hoceima, no Rif. Tais medidas são geralmente eficazes em Marrocos, embora naturalmente não sejam infalíveis. O imã terrorista Essati aparentemente viajou de um lado para outro entre Espanha e Marrocos sem impedimentos, e se as autoridades marroquinas tivessem avisado os seus colegas espanhóis sobre ele poderiam , seguramente, ter evitado o massacre.
O próprio salafismo é tolerado no Reino, desde que não promova a violência ou rejeite a estrutura monárquica. Nos últimos anos, clérigos salafistas presos após o ataque de Casablanca em 2003 foram amnistiados em troca da suavização do seu discurso público e desautorizar grupos jihadistas como o IS e a Al-Qaeda do Magrebe Islâmico.
Os efeitos a longo prazo de tais medidas ainda estão por avaliar, mas o envolvimento substancial dos jihadistas com laços marroquinos em ataques terroristas na Europa sugere que políticas que promovem relativa estabilidade no país não minaram suficientemente as fontes ideológicas de extremismo para cidadãos marroquinos que vivem no exterior. Ainda assim, o reino parece pretender continuar se posicionando como um modelo regional de reforma religiosa.

MARROQUINOS NA EUROPA
A diáspora marroquina na Europa é extensa, com vários milhões, em comparação com uma população de cerca de 36 milhões que vive no seu país de origem; Mas números precisos, ou mesmo definições de marroquinos por status de imigração, variam consideravelmente. A maioria vive em países francófonos, como a França ou a Bélgica, com comunidades espalhadas em outras partes do continente. A grande maioria é formada por imigrantes, operários ou funcionários cumpridores da lei.
A Espanha é um caso especial devido à sua proximidade geográfica com Marrocos e ao estatuto de antiga potência colonial no Saara Ocidental, além da França, que controlou o terço norte do país sob um protetorado durante grande parte da primeira metade do século XX. Tânger fica a apenas meia hora de ferry dos portos espanhóis de Tarifa, Cádiz ou Algeciras, e um bilhete de ida custa menos de 50 dólares. Muitos marroquinos naquela região costeira do norte também falam pelo menos o espanhol básico, além de francês e árabe e, às vezes, também, o Tamazight, o dialeto berbere do norte. De uma população espanhola total de aproximadamente 32 milhões, quase 800.000 são registrados como imigrantes marroquinos de primeira ou segunda geração. Cerca de um quarto deles reside na Catalunha, principalmente em Barcelona ou nas proximidades. O número de imigrantes marroquinos ilegais adicionais em Espanha é desconhecido.
Um aspecto incomum da diáspora marroquina é sua conectividade institucional relativamente próxima. Por exemplo, um Conselho Europeu de Ulema marroquino (clérigos islâmicos) trabalha para coordenar a comunicação, a caridade e outros aspectos da vida comunitária. E o próprio Reino mantém uma influência relativamente forte entre os marroquinos no exterior. No final de julho de 2017, para citar apenas um exemplo, o prestigiado festival cultural Asilah organizou uma conferência de três dias sobre "Muçulmanos no Ocidente", com apresentações de vários jovens imãs europeus de origem marroquina, além de especialistas dos Estados Unidos e Argentina.
Dado esse cenário, a recente proeminência de expatriados marroquinos no terrorismo jihadista parece refletir não a prevalência do extremismo fundamentalista em seu país de origem, mas o contrário: Marrocos permanece relativamente defendido dessa violência por uma combinação de razões culturais e securitárias e repressivas. Como resultado, a pequena proporção de marroquinos inclinados por essa via radicalizada parece ter buscado refúgio no exterior;outros podem ter-se radicalizado nos seus lares europeus de adoção, em vez de importarem a ideologia de Marrocos.




Sem comentários:

Publicar um comentário