segunda-feira, 30 de maio de 2011

Marrocos aplica mão dura aos protestos da juventude


A Comissão Europeia pede a Rabat que restrinja o emprego da força contra os manifestantes

Até há pouco tempo, Rabat orgulhava-se de ser o único entre os países árabes que não reprimia os protestos dos jovens que tiveram início em finais de Fevereiro mas, desde há um par de semanas, as suas forças da ordem recorrem sistematicamente à matraca e à intimidação para acabar com as manifestações, pese embora o seu carácter pacífico.


La represión se abatió, el 15 de mayo, sobre los jóvenes que intentaron organizar un picnic en el bosque de Temara que rodea la sede de la policía secreta, la Dirección de Supervisión del Territorio, en cuyas dependencias había, según ellos, una cárcel oculta. Otras manifestaciones convocadas para el 22, 28 y 29 de mayo fueron contundentemente disueltas con un saldo, a veces, de decenas de heridos.

Días u horas antes de que se intentaran celebrar la policía ya había intentado abortarlas. Sus agentes visitaron los domicilios de los supuestos cabecillas para notificarles, entregándoles una nota, que las manifestaciones estaban prohibidas. A aquellos apresados durante las protestas les advirtió de los riesgos que corrían si volvían a echarse a la calle.

"Recurren a métodos intimidatorios", asegura el periodista Omar Radi, golpeado, según él, en la calle horas después de que fuera dispersada, el sábado, la concentración ante el Parlamento a la que intentó acudir y amenazado de muerte por un oficial de la policía si volvía a participar.

Esta represión "contradice las declaraciones engañosas sobre el compromiso democrático adquirido por el Estado marroquí", reza un comunicado del Movimiento 20 de Febrero, integrado por los jóvenes que hace tres meses desencadenaron las protestas.

Hasta la Comisión Europea expresó ayer su "preocupación por la violencia empleada durante las manifestaciones que se desarrollan en Marruecos". La portavoz de Stefan Fül, comisario europeo para la ampliación y la política de vecindad, hizo un llamamiento "en pro de la restricción del uso de la fuerza y del respeto de las libertades fundamentales" entre las que figura la de reunión. Alentó a Marruecos a seguir adelante con las reformas que anunció.

El órgano recién creado por el rey Mohamed VI para supervisar el respeto de los derechos humanos en Marruecos, el Consejo Nacional de Derechos Humanos, guarda, por ahora, silencio sobre los atropellos que padecen los jóvenes rebeldes.

El Gobierno marroquí no ha reconocido el empleo de la fuerza, pero sí ha modificado su valoración del Movimiento 20 de Febrero. "Está siendo manipulado por los islamistas y los izquierdistas", acusa el portavoz del Ejecutivo Khalid Naciri. Reitera también que las reformas iniciadas constituyen para Marruecos "una opción irreversible".

Este argumento de la infiltración de los "barbudos" y de los izquierdistas en el movimiento ha sido también formulado por el consejero real Mohamed Moatassim en las reuniones que ha mantenido estos días con los partidos políticos convencionales para tratar de convencerles de que se distancien de unos jóvenes que trabajan por cuenta ajena.

Las manifestaciones que durante dos meses se han desarrollado, casi siempre pacíficamente, en las principales ciudades marroquíes han sido encabezadas por los jóvenes seguidos por grupos de izquierdistas y sindicalistas y, al final del cortejo, los islamistas de Justicia y Espiritualidad, un movimiento ilegal pero tolerado.

A las porras de los antidisturbios se añaden ahora, para frenar a los jóvenes, las contramanifestaciones. "Es la contraofensiva", titulaba ayer el diario independiente Akhbar al Youm. Consiste en que comerciantes perjudicados por la ebullición social -el grueso de las protestas se desarrolla el domingo, cuando las tiendas están cerradas- toman también las calles para exigir al Gobierno que restablezca el orden.

Llegaron, por ejemplo, ayer en decenas de autobuses ante la estación central de Rabat y se concentraron ante el Parlamento para denunciar, según la agencia oficial de prensa (MAP), que "la estabilidad de la economía está amenazada" y que "están hartos de las escenas de violencia en las calles", como si fuesen los jóvenes los que la propician. "Las reformas ya están aquí. Hay que parar las manifestaciones", rezaba una pancarta.

¿Por qué ahora se reprime lo que antes se toleraba? "Es como si nos dijesen que el recreo ha terminado, que hay que pasar a otra cosa para que así la nueva Constitución se presente en público y se apruebe en las condiciones que les convienen", responde Nizar Benamate, uno de los jóvenes más activos. Desmiente que estén en manos de islamistas o izquierdistas.

Mohamed VI anunció, el 9 de marzo, una reforma constitucional que recortará su poder ejecutivo y encargó a una comisión, encabezada por el jurista Abdellatif Menouni, que la prepare. Las propuestas que baraja parecen de antemano insuficientes al Movimiento 20 de Febrero, que se ha negado a dialogar con la comisión porque, según ellos, la reforma debería elaborarla una asamblea constituyente como en Túnez.

El ministro de Economía, Salahedine Mezour, anunció el pasado fin de semana en Nueva York que el 1 de julio se celebrará el referéndum sobre la reforma constitucional y, el 7 de octubre, habrá elecciones legislativas anticipadas. Quedará así cerrada la transición al estilo marroquí.

EL PAIS - IGNACIO CEMBRERO | Madrid 30/05/2011

sábado, 28 de maio de 2011

Marrocos a tentação securitária


A aliança estratégica com as monarquias do Golfe e a normalização táctica com a Argélia, O reino alauita prepara-se para fazer passar uma reforma constitucional “nos mínimos”? As autoridades marroquinas estão à beira de uma crise de nervos? Se comparado com outros países árabes confrontados com revoltas populares, Marrocos tem tido a vantagem de gerir a dedo o descontentamento da rua …, a tensão parece ter recuperado a vantagem nos postos de poder, como as promessas de mudança do próprio rei, no seu discurso de 9 de Março, 2011 falhou em acalmar a revolta.

O rei vaiado, a polícia descredibilizada
Nas últimas semanas, a polícia de choque recorreu a rara brutalidade para conter os manifestantes, como foi o que aconteceu em 22 de Maio nas principais cidades do reino, com o fundamento de que eles violaram a proibição estrita de concentração e manifestação. Os dirigentes proeminentes do Movimento de 20 de Fevereiro receberam, na sua maioria, cartas registadas sobre este tema .
“Manifestarmo-nos é um direito, de que é que o Makhzen tem medo?", "Fora o Makhzen. Não ao despotismo ", gritou a multidão em Casablanca, diz a AFP.
Facto novo,  as pessoas, na rua, começam a falar directamente a Mohamed VI. No  25 de Maio,  à saída da mesquita de Rabat Sunna  (localizada a poucos passos do Palácio Real), onde o rei tinha acabado de completar sua oração semanal,   desempregados instaram Sua Majestade. "Queremos Emprego!" gritavam. Uma novidade, em Marrocos,  ninguém se atrevia a desafiar o monarca durante as suas deslocações.
Também na capital, os manifestantes planeavam realizar acampamentos em frente ao parlamento, mas as autoridades impediram-nos, temendo que eles reeditassem o cenário da praça Tahrir, no Cairo.
Segundo várias fontes, seis pessoas ficaram feridas, mas outras testemunhas avançam números bem superiores. Um dos líderes, já agredido pela polícia na semana passada, sofreu um grave traumatismo craniano, de acordo com testemunhos obtidos pela AFP.
Islamistas e esquerdistas acusados de conspiração
Quatro meses após o início das manifestações pacíficas por mais democracia,  a onda de protesto tende a a radicalizar-se,  à medida que se aproxima a apresentação, pela Comissão Real encarregada da reforma constitucional da nova moldura da Constituição,  que será sujeita a um referendo.
Os Observadores temem um novo endurecimento da segurança em Marrocos, mas também que esta reforma não passe de um mero “facelift”. As autoridades acusam o Movimento 20 de Fevereiro de ser "manipulado pelos “islamistas e esquerdistas" para justificar o uso desproporcional da força contra eles. As autoridades marroquinas recorrentemente se queixam de movimentos islâmicos como a “Justiça e Caridade”, interditos mas tolerados há já muitos anos, bem dos sectores de extrema-esquerda. Para Fouad Abdelmoumni, economista e activista associativo, o movimento islâmico, uma dos maiores e mais influentes em Marrocos, esgrime essas reivindicações democráticas "para servir a sua própria agenda", relata a AFP.
Durante um protesto organizado por centenas de médicos dos hospitais públicos, em Rabat, os batas brancas foram espancados e dispersados  pelas forças repressivas, causando o espanto entre a população que se interroga sobre o nervosismo do Estado face a qualquer tipo de movimento de protesto, inclusive quando se trata de exigências de carácter puramente social...
A  estratégia das monarquias do Golfe
Um outro facto alimenta a suspeição sobre uma real vontade por parte do Estado em reformar as suas instituições. A 10 de Maio, o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), que agrupa a Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Oman, Quatar criou uma celeuma ao manifestar apoio à adesão da Jordânia e do Marrocos a este agrupamento regional.
Para muitos analistas, esta proposta sugere que os Estados do Golfo procuram proteger-se do contágio da revolta árabe, mas também contra a ameaça representada pelo Irão.  A Jordânia e Marrocos são de facto os únicos reinos árabes que não pertencem e este clube mas que possuem um aparato de segurança armada e experientes.
Há que acreditar que as monarquias do Golfo já não consideram os EUA como um aliado incondicional, à luz da atitude da potência americana face às ditaduras da região.  No seu último discurso,  dedicado ao mundo árabe,  Obama confirmou os seus receios, ao anunciar seu apoio aos reformadores.
Embora seja fácil entender que a assimilação da Jordânia no GCC  pode ser considerado natural pela sua proximidade geográfica,  o seu regime monárquico e os seus laços económicos com os países da região, o convite a Marrocos,   país do Magrebe que goza de um estatuto privilegiado com a União Europeia,  só pode ser entendido como resposta às revoltas árabes.
Marrocos, por outro lado, respondeu positivamente à oferta do GCC, mas indicou que o processo deve ser gradual. Poder-se-á supor  que esta cooperação se traduzirá em primeiro lugar num alinhamento de pontos de vista diplomáticos, solidariedade nos meios de defesa, acordos de comércio de livre troca e, finalmente, o estabelecimento de mecanismos que regulam a livre circulação de pessoas.
Na vertente diplomática,  esta aproximação começou bem antes da primavera árabe.  A 6 de Março de 2009,  Marrocos anunciava o rompimento das relações diplomáticas com o Irão.  A explicação não convenceu. Oficialmente,   Rabat rompeu com Teerão, em solidariedade com o Bahrein, após uma importante autoridade iraniana ter descrito o pequeno reino como a  "décima quarta província do Irão"..
A razão para a ruptura não era porém essa, e um diplomata egípcio irá explicá-la a um seu colega americano sedeado em Rabat: "Os marroquinos romperam com o Irão por solicitação da Arábia Saudita", diz ele, como o demonstraram os emails obtidos por Wikileaks e revelados pela imprensa. Os sauditas, diz o diplomata, mobilizaram pessoalmente o rei Mohamed VI na sua estratégia global de oposição à influência iraniana. "
E acrescenta o diplomata egípcio:
«Como contrapartida do seu apoio activo, a Arábia Saudita vai fornecer um fluxo contínuo de petróleo a um preço de amigo»
Riade, acrescenta, poderia também colocar o dinheiro na balança e se substituir a outros Estados do Golfo que, atingidos pela crise financeira mundial, já não são capazes de cumprir as suas promessas de investimentos em Marrocos. Por último, afirma o diplomata egípcio, a operação não sai muito caro a Marrocos, que tem poucas relações económicas com o Irão e, ao contrário, poder-se-á manifestar muito rentável para o reino alauita.
"A chave do sucesso para nós permanece na democracia e na igualdade perante a lei para todos,  sem necessidade do CCG,  podemos avançar sozinho, sem depender desses regimes e dessas pessoas que têm dólares, mas que é preciso reconhecer, mantêm regimes políticos retrógrados.  Não podemos deixar-nos atrair por tudo o que brilha, isso pode ser enganoso e perigoso",  responde o diplomata.
O New York Times revelou que os Emirados Árabes Unidos assinaram um contrato com Erik Prince, fundador da Blackwater (rebaptizada Xe Services) para formar um exército de mercenários no seu território. Informações rapidamente interpretadas como cumplicidade do reino de Marrocos com seus aliados do Golfo em matéria de segurança.
Rabat e Argel, interesses definidos
Algo impensável há alguns meses, atendendo às disputas profundas entre os dois vizinhos do Norte Africano, especialmente em torno do conflito do Sahara Ocidental, Rabat e Argel parecem querer enterrar o machado, nestes tempos conturbados. Segundo fontes diplomáticas, estão a decorrer negociações secretas entre Marrocos e a Argélia para ser reaberto o lado da fronteira terrestre entre os dois países, fechado desde 1994 após o atentado ao hotel Asni Atlas em Marraquexe. A data 02 de Junho foi mencionada para esse eventual acontecimento.
Nas últimas semanas, habituados a utilizar uma linha ofensiva editorial, os media argelinos oficiais e meios de comunicação social marroquinos e as pessoas próximas dos respectivos poderes mudaram radicalmente de atitude. Um sinal de apaziguamento? Na opinião dos alguns observadores, esta decisão de realpolitik seria ditada por duas razões principais: a Argélia quer dar um balão de oxigénio para sua população impaciente para visitar a Tunísia para "mudar de ares, e Marrocos quer compensar a queda no turismo causadas pelas revoluções e o atentado no café de Argana, em Marraquexe, e distrair a população dos assuntos sensíveis.
Ali Amar,jornalista marroquino, autor do livro «Mohammed VI le grand malentendu»

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Ali Salem TaMek, activista Saharaui: «Zapatero foi negativo para o Sahara»


Passou cerca de 10 anos nas prisões marroquinas. Fez 29 greves de fome e foi vítima de torturas. Os seus familiares sofreram repressões e represálias brutais. Ainda assim, o activista saharaui Ali Salem Tamek, de 37 anos, mostra-se enérgico, determinado e optimista.

Há um mês que saiu da prisão, após um ano e meio de isolamento. «O mais importante agora é sensibilizar a comunidade internacional», insiste Tamek que, na semana passada, retomou o seu activismo em prol dos DDHH em Altea (Alicante), para logo se deslocar a Madrid. Surpreendentemente, até em Espanha se deparou com obstáculos.

A Polícia reteve-me para, supostamente, prestar declarações. Faz parte de uma perseguição contra a minha pessoa para que não possa desenvolver as minhas actividades de maneira livre.

O que acha que aconteceu?

É uma consequência da nova conivência entre o regime de Marrocos e o Governo espanhol. O que se passou com Aminetou Haidar prova essa conivência. Essa perseguição também é palpável nas dificuldades em obter um visto.

O que pensa da atitude do Governo espanhol em relação ao Sahara?

O mais negativo possível. Teoricamente o pensamento socialista inclui a defesa dos direitos dos povos, mas os piores momentos e a mais dura realidade que viveu a questão saharaui começaram com a chegada ao poder do actual Governo espanhol. Falo do seu silêncio ante as constantes violações dos direitos humanos, a questão de Aminetou Haidar ou o esbulho dos recursos marinhos.

O que lhe parecem as reformas anunciadas por Mohamed VI?

São medidas impostas pelo contexto internacional e pelo Movimento 20 de Fevereiro, que está a ganhar força. Mas a essência do regime não vai mudar.

Como encara a chamada «primavera árabe»?

É uma nova era dos povos,  que querem evoluir e derrubar as ditaduras que as governaram até agora. Mas, infelizmente, este ar de liberdade não chegou ainda ao povo saharaui.

Mas, ainda assim, acha que este movimento pode ajudar…?

Deveria. Mas os países influentes, desgraçadamente, têm um duplo padrão duplo ao aplicar o direito internacional.

La Razon - 16-05-2011

Empresas do rei de Marrocos valem mais de seis mil milhões de euros

Monarca é o sétimo mais rico do mundo e a participação da casa real na economia ensombra a competitividade.

O rei Mohammed VI tem negócios avaliados em 6% do PIB marroquino (de cerca de 108 mil milhões de euros, em 2010), segundo o "El Mundo". Para o líder do patronato marroquino, Mohamed Horani, "é legítimo questionar se o rei pode ter negócios num ambiente de competitividade". A questão ganha mais relevo porque é precisamente o receio de concorrência desleal que mais inquieta os empresários marroquinos.
17-05-2011
Jornal de Negócios online

Marrocos e Frente Polisario reatam conversações informais em Nova Iorque

Christopher Ross, Enviado Pessoal do SG da ONU para o Sahara Ocidental

Assistirão também à reunião — a sétima de carácter informal entre ambas as partes —, tal como nas ocasiões anteriores e na qualidade de Estados vizinhos, Argélia e Mauritânia, precisou o porta-voz da ONU, Martin Nesirky, que referiu que o encontro será presidido por Christopher Ross , Enviado Pessoal do SG para o Sahara Ocidental.

Nestas conversações, as primeiras que têm lugar desde a renovação, no mês de Abril, do mandato da Missão da ONU para o Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO), "as partes aprofundaram as suas respectivas propostas para que se possa chegar a um acordo ", acrescentou aquela fonte.

O porta-voz da ONU afirmou que marroquinos e representantes da Frente Polisario "examinarão possíveis medidas de conciliação e formas de evitar actos de provocação".

O Conselho de Segurança renovou no fim de Abril e por um ano mais o mandato da MINURSO, numa resolução que reconhece a necessidade de melhorar a situação dos direitos humanos na ex-colónia espanhola embora não tenha criado um mecanismo para a sua supervisão.

O local da última reunião, que reuniu as partes em Março passado, foi a ilha de Malta, mas então, a exemplo do que sucedera em anteriores reuniões informais, elas foram incapazes de acercar as suas posições. Marrocos defende que o seu plano de autonomia é a única saída realista para o conflito, enquanto a F. Polisario defende a realização de um referendo em que a independência seja uma das opções. 
EFE

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Amnistia Internacional denuncia a repressão policial das manifestações do passado Domingo em Marrocos


A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje o uso da força empregue pelas forças de segurança para dispersar as manifestações pacíficas do passado Domingo em Marrocos, e pediu às autoridades que se realize uma investigação "completa, independente e imparcial" dos acontecimentos.

Através de comunicado, a organização solicitou às autoridades que deixem os manifestantes expressar as suas opiniões de maneira pacífica, e não permitam que as forças de segurança recorram ao uso da força injustificada e desnecessária para dispersar os protestos.

No passado Domingo, os marroquinos tentaram responder a uma convocatória anunciada pelo Movimento 20 de Fevereiro, que decidiu organizar as manifestações marchas para exigir profundas alterações políticas e sociais, não obstante os avisos das autoridades de que as manifestações estavam proibidas.

AI subrayó que en todas las ciudades donde se tenía previsto realizar las protestas, las fuerzas de seguridad irrumpieron de forma violenta, detuvieron a varias personas y algunos manifestantes fueron golpeados hasta perder el conocimiento.

Según las informaciones de AI, decenas de personas fueron arrestadas en las ciudades de Fez, Casablanca, Tetuán, Rabat y Tánger, y en esta última urbe se piensa que al menos 23 manifestantes continúan detenidos.

La organización destacó que a algunas personas "se les denegó las copias de sus informes médicos en los hospitales, lo que podría obstaculizar los esfuerzos para reclamar compensaciones".

Por otro lado, una Comisión mixta de apoyo a los presos islamistas condenó hoy "la campaña represiva" de las autoridades que, según ellos, comenzó la noche del pasado 14 de mayo, víspera de una marcha para exigir el cierre de un supuesto centro de detención secreto de Temara, cerca de Rabat.

En una rueda de prensa celebrada hoy en Rabat, la comisión criticó "la fuerza represiva y desmesurada" utilizada por los antidisturbios en el motín que los presos islamistas protagonizaron la semana pasada en la cárcel de Salé, cerca de Rabat.

La rebelión estalló el lunes pasado cuando las autoridades marroquíes intentaron comenzar una operación de traslado a otras cárceles de los presos islamistas, quienes rechazaron esta decisión y se refugiaron en los azoteas.

Según la comisión, esta decisión "produjo la desconfianza de los detenidos que presintieron que se estaba tramando un complot para terminar con todos los derechos logrados durante muchos años de lucha".
Agregó que el pasado 25 de marzo se alcanzó un acuerdo en el que el Estado prometió "liberar a todos los detenidos islamistas injustamente condenados y permitir a los presos disfrutar de una situación cómoda en la prisiones a la espera del cierre definitivo de sus casos".
Sin embargo, no existe ninguna confirmación oficial sobre este acuerdo.

Rabat, 24 de Maio (EFE)

terça-feira, 24 de maio de 2011

Jovens saharauis acampados na Plaza del Sol, em Madrid, lembram situação nos territórios ocupados do Sahara Ocidental


Um grupo de representantes do movimento pelo Sahara Ocidental decidiram demonstrar o seu apoio ao movimento 15-M, em Madrid e noutras cidades de Espanha. Vários destes jovens participaram no acampamento de Gdeim Izik, nos arredores de El Aiun, destruído violentamente pelas forças militares e policiais de ocupação marroquinas no dia 8 de Novembro de 2010.

Um colectivo de jovens saharauis provindos de diversas localidades de Espanha, estão acampanados desde sexta-feira passada nas Portas do Sol, em Madrid, com o objectivo de " apoiar o povo espanhol na sua luta pela verdadeira democracia" e aproveitando para realizar actividades reivindicativas para exigir o direito à autodeterminação do Sahara Ocidental.

Para dar a conhecer a sua causa, este grupo participa nas comissões de migração e política do acampamento das Portas del Sol porque, segundo afirmam, "é o melhor espaço" para expressar as suas reivindicações.

sábado, 21 de maio de 2011

Polícia marroquina ataca «à pedrada» família do jovem assassinado Said Dambar





Quinta-Feira à tarde estava prevista uma concentração em El Aiún (Sahara Ocidental) frente à casa de Said Dambar, o jovem saharaui assassinado pela policia marroquina no dia 22 de Dezembro e cujo corpo continua na morgue porque as autoridades se negam a entregá-lo à família. Uma vez mais, as forças da ordem utilizaram grande violência contra os manifestantes e atacaram a casa desta família, com um saldo de duas dezenas de feridos, entre eles a mãe de Dambar.
  
  

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Grandes manifestações no Sahara Ocidental e no sul de Marrocos


Inúmeras cidades nos territórios ocupados do Sahara Ocidental e do sul de Marrocos foram palco de manifestações pacíficas e concentrações de cidadãos que exigiam mais respeito pelos seus direitos socio-económicos e condenavam a políticas marroquina de exclusão e marginalização a que são sujeitos.

Segundo informações recebidas da CODESA, organização saharaui de defesa dos direitos humanos, os trabalhadores das minas de Fos-Boucraa, bem como muitas outros grupos e organizações colectivas saharauis, concentraram-se para reclamar o direito à sindicalização e a direitos sócio-económicos mais vastos, exigindo igualmente ao Estado marroquino revelar o destino dos desaparecidos saharauis e a libertação dos presos políticos saharauis.

Os cidadãos saharauis têm organizado manifestações pacíficas três vezes por semana (às segundas, quartas e sextas-feiras) diante da sede da administração da sociedade de fosfatos, a delegação da Energia e Minas e o Tribunal de Apelação de El Aiun. Desde 20 de Abril passado, os saharauis desempregados (em grande parte licenciados universitários sem trabalho) iniciaram uma concentração por tempo indeterminado diante da sede da delegação do Ministério do Trabalho, na rua de Meca, em El Aiun, (capital do Sahara Ocidental ocupada por Marrocos).

Exemplo desse protesto é o licenciado Mohamad Sghaier que faz greve de fome há 21 dias, para protestar contra o seu despedimento no dia 3 de Dezembro de 2010 de um cargo público. Foi-lhe prometido um outro trabalho, mas acabou por ver-se ultrapassado por uma outra pessoa, supostamente com o mesmo nome, que goza de estreitos laços com um funcionário marroquino influente.

Muitos outros grupos de saharauis no desemprego manifestam-se igualmente pelo direito ao trabalho. Denunciam a exclusão dos saharauis por parte das autoridades marroquinas. Os saharauis estão a ser duramente castigados pelo desemprego e pela pobreza, enquanto Marrocos continua a explorar e a espoliar os recursos do subsolo e das águas territoriais do Sahara Ocidental.

As vítimas saharauis de violações graves dos direitos humanos cometidas pelo governo marroquino iniciaram uma concentração que dura há já mais de 19 dias, diante das instalações do Conselho Nacional Marroquino dos Direitos do Homem. "Este grupo reclama o direito à integração social e condena a recusa de Marrocos em lhes oferecer emprego. Enquanto isso, outros grupos vítimas de violações de direitos humanos saharauis e de detenções arbitrárias organizam, todas as segundas e quintas-feiras, manifestações no mesmo local”.

Desde há dois dias que os trabalhadores da «Inaach» (programa de trabalho social, pelo qual as pessoas recebem magras prestações pela limpeza das ruas, sem que tenham direito a qualquer tipo de contrato de trabalho) organizam manifestações pacíficas diante da delegação da «Inaach" em El Aiun. Os trabalhadores desta instituição reivindicam o direito a serem considerados empregados com vínculo e a beneficiar de segurança de social e de saúde. Exigem igualmente ao Estado marroquino que pare com os despedimentos arbitrários e sem qualquer tipo de cobertura social.

Também a cidade de Tantan, no sul de Marrocos, tem conhecido uma forte presença policial desde há três semanas. As forças de segurança da cidade receberam ordens de impedir os saharauis a qualquer tipo de acesso à sede da província, após uma concentração no interior e exterior do edifício organizado por um grupo de desempregados saharauis que reivindicava o mesmo tipo de direitos dos grupos atrás citados.

Reivindicando as mesmas exigências, dezenas de saharauis manifestaram-se e concentraram-se em Goulimine, no sul de Marrocos, diante da sede da 5.ª província durante mais de dois meses, incentivados por inúmeros grevistas da fome. Também se realizaram inúmeras manifestações na estação de autocarros da cidade e da sede administrativa da província, com ataques brutais e repressão por parte das autoridades marroquinas. Estes ataques foram documentados pelo Comité saharaui para a Defesa dos Direitos do Homem de Goulimine através de várias declarações e relatórios.

Na cidade de Assa, no sul de Marrocos, decorreram imensas manifestações e marchas pacíficas após a morte do estudante saharaui "Hammadi Habbad," em Rabat, exigindo um inquérito imparcial sobre o ocorrido. Com o mesmo objectivo, os estudantes saharauis em Rabat haviam organizado manifestações pacíficas e greves de fome no campus "Souissi 1" para apoiar os seis estudantes saharauis detidos a 21 de Abril de 2011 e enviados para a prisão de Salé. (SPS)

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Javier Bardem doa 10.000 euros à Escola de Cinema Saharaui


A Escola de Formação  Audiovisual (E.F.A.) Abidin Kaid Saleh, instalada no Acampamento 27 de Fevereiro, prossegue o seu excelente trabalho. Durante a recente realização da última edição do FiSahara, Carlos Bardem anunciou a concessão de um donativo por parte do seu irmão Javier de 10.000 euros, parte do Prémio Nacional de Cinematografia que recebeu em 2008, para ajudar ao arranque do curso lectivo que tem início no próximo mês de Setembro.

O donativo de Javier Bardem para a Escola de Formação Audiovisual — afinal uma actividade a que ele está profundamente ligado pela sua actividade profissional —, não é o único que o popular actor concedeu recentemente aos saharauis. Ainda esta ano já tinha comprado uma ambulância para o hospital de Dajla, o acampamento de refugiados onde teve lugar o FiSahara.

Todos os artistas presentes este ano no Festival de Cinema e que visitaram a escola ficaram agradavelmente surpreendidos com este projecto de cooperação, único no mundo, e para o qual também eles se propuseram contribuir. Gerardo Olivares, realizador do filme 'Entrelobos', vencedor este ano ano do prémio máximo do FiSahara , «a Camela Branca»,  ofereceu-se para proferir a aula de abertura no ano lectivo do próximo ano.

Sahara Ocidental deu 1.º Prémio da World Press Photo ao fotógrafo Andrew Mc Connell



O fotógrafo irlandês Andrew Mc Connell ganhou o 1º Prémio da World Press Photo, na categoria "Retratos - Reportagem" com o seu trabalho "A Última Colónia" dedicada ao Sahara Ocidental. As fotos premiadas podem ser vistas até Domingo no Museu da Electricidade, em Lisboa. As 51 líndissimas imagens podem também ser apreciadas no site: http://andrewmcconnell.photoshelter.com/gallery-image/The-Last-Colony/G000070EJ66kd3Bw/I00000uei1iJ3ZPw 

terça-feira, 17 de maio de 2011

Saharaui - pai de três filhos - imola-se pelo fogo em El Aiun




Mohamed Abdalahe Ahmed Elkaouri, saharaui, pai de três filhos, ateou hoje fogo ao seu corpo como protesto pela situação insustentável que se vive na cidade de El Aiun ocupada por Marrocos.

domingo, 15 de maio de 2011

O Sahara recupera a fé nas Nações Unidas

A brutal intervenção marroquina arrasou totalmente o acampamento da ‘Dignidade' de El Aiún, em Novembro último.

Submetido à diáspora e à repressão, o povo saharaui tem visto como, ao longo de 36 anos, a razão que lhe assiste não tem sido passaporte para a tão desejada autodeterminação. A última resolução do Conselho de Segurança enfatiza porém a consulta ao Povo Saharaui quanto ao seu futuro...

Desde 1975, nem as sucessivas resoluções favoráveis das Nações Unidas, nem tampouco a sentença do Tribunal Internacional de Haya, que negava a Marrocos qualquer soberania sobre a então colónia espanhola, vergaram o projecto irredentista marroquino. Desde a sua anexação do território que o reino alauita está à margem da legalidade. Sem quaisquer consequências, já que segue impune graças ao apoio de poderosos aliados, como a França, país com direito a veto no Conselho de Segurança da ONU, e também da Espanha.

Um apoio que torna o Sahara, um território não autónomo em, nada mais nada menos, do que a última colónia em África, e um assunto pendente para a Espanha que, em 1975, cedeu a sua administração a Marrocos e Mauritânia, através dos acordos ilegais de Madrid.

Mais de três décadas após esses acontecimentos, algo parece estar a mover-se no Conselho de Segurança das Nações Unidas. No dia 27 de Abril passado, este organismo aprovou a resolução que prorroga por um ano a Missão da ONU para o Referendo do Sahara Ocidental (MINURSO).

Aparentemente, uma mera formalidade. Mas a realidade é que o documento inclui novidades. A principal é que a habitual referência do Conselho ao "direito de autodeterminação" dos saharauis adquiriu nesta resolução, a 1979, muito mais conteúdo. Um dos parágrafos mais importantes exorta as partes "a trabalhar num ambiente propício para o diálogo [...] tendo em atenção o parágrafo 120 do relatório do secretário-geral."

Ora a referência ao relatório de Ban Ki-moon, é fundamental, afirma ao Público.es Ahmed Boukhari, representante da Frente Polisario na ONU. A razão é que Ban recomenda no referido parágrafo, que "a opinião dos saharauis é o ponto central de uma solução", diz o diplomata saharaui.

"Esta resolução é extremamente importante, pois vem dizer que o referendo é necessário, e desautoriza o ministro dos Negócios Estrangeiros marroquino, [Taieb] Fassi Fihri, quando desafiou os jornalistas em Madrid a que lhe indicassem uma resolução da ONU que aludisse ao referendo", afirma Carlos Miguel Ruiz, professor de Direito na Universidade de Santiago de Compostela. "Ao aprovar esta resolução, o Conselho de Segurança também desautorizou o rei Mohamed VI, que defende que o referendo está desactualizado, assim como a política externa do governo espanhol", afirma Miguel Ruiz.

De acordo com este especialista, o facto de a resolução não ter ampliado o mandato da MINURSO para monitorar os direitos humanos, apesar da expulsão brutal do acampamento da Dignidade de El Aiun, em Novembro, é secundário: "O importante é o referendo." E no texto também se recomenda que o Marrocos e a Frente Polisario estudem as suas respectivas propostas de solução. Um duro golpe para Rabat, já que coloca em pé de igualdade o plano de autonomia com a proposta do movimento pela independência saharaui.

Para Ahmed Boukhari, esta resolução "demonstra que a via da legalidade internacional não se encontra ainda esgotada", e que os saharauis podem, apesar de tudo, ter fé nas Nações Unidas.

Trinidad Deiros – 15-05-2011 – PUBLICO.ES

Espanha-Polisario: relações 'abaixo de zero'

Na questão do Sahara Ocidental, as questões dos negócios a curto-prazo, parecem sobrepôr-se no relacionamento entre Espanha e Marrocos...

O representante da Frente Polisario junto da ONU, Ahmed Boukhari, afirmou hoje que as relações entre a sua organização e o Governo socialista estão "abaixo de zero" e são"praticamente inexistentes", muito embora tenha expressado a vontade de que seja recuperada a confiança que sempre existiu com Espanha.

Boukhari, em entrevista à agência noticiosa Efe, lamentou que tanto o Executivo de José Luis Rodríguez Zapatero, como a Direcção do PSOE, não tenham "interesse real e sincero" de entabular pontes de diálogo que ajudem a resolver o conflito do Sahara Ocidental.
O dirigente da Polisario referiu que o distanciamento do Governo socialista nos últimos anos coincidiu com uma aproximação a França, no que respeita ao plano de autonomia que Marrocos defende para a antiga colónia espanhola.

"Não sei se é uma posição definitiva (de Espanha) e que expressaria a rejeição definitiva da independência do Sahara… Se assim for, nada mais há a discutir. Mas espero que essa não seja a posição definitiva", afirmou Boukhari.

O dirigente saharaui sublinhou que, desde há muitos meses, que não se registou um convite formal por parte do Governo de Zapatero para dialogar, nem "um interesse real e sincero para imprimir às nossas relações o calor que existiu nos primeiro anos" do seu mandato.

"As relações estão abaixo de zero e são praticamente inexistentes. Há contactos mínimos, mas não há relações de conteúdo político a nível  da ministra de Negócios Estrangeiros, da Moncloa ou do PSOE", criticou.

EFE