quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Gigante francês CMA-CGM suspende atividade no Sáhara Ocidental.


O gigante francês CMA-CGM suspendeu os seus planos de colocar alguns dos seus mega-barcos nas rotas dos portos da costa do Sahara Ocidental a partir deste mês, informou a ''Associação para a supervisão dos recursos e para a Proteção do Meio Ambiente no Sahara Ocidental'' (AMRPENWS).
A companhia CMA-CGM anunciou que suspendeu o seu serviçoo para o porto de Dakhla, capital económica do Sahara Ocidental ocupado.
A medida deve-se à recente resolução do Tribunal da União Europeia que sentenciou que o acordo agrícola Marrocos-UE não é aplicável aos territórios saharauis sob ocupação marroquina.
Num breve comunicado, a empresa explica que a partir de fevereiro de 2017 a nova rota marítima será até Agadir, no sul de Marrocos.
Daí que o CMA CGM Group informe os seus clientes que, com efeito imediato (a partir de hoje), "é suspenso definitivamente o serviço para os territórios saharauis”.
Por seu lado a Frente Polisario denunciou as companhias que foram autorizadas pelas autoridades marroquinas para operar nas costas do Sahara Ocidental ocupado, e qualificou o ato de “grave provocação”, assim como uma “ameaça para a paz e a estabilidade no território e em toda a região do Magrebe”.
''É uma atitude políticamente incorreta além de ilegal após a última resolução do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), quando algumas empresas europeias mantêm interesse em cooperar com as autoridades de ocupação marroquinas para exportar de forma ''clandestina'' e estabelecer negócios neste território não Autónomo'', denuncia Mohamed Khadad, coordenador da F. Polisario junto da MINURSO.
''Esse tipo de atividades, que não têm em conta a prosperidade e o interesse da população saharaui, estão violando a lei internacional de comércio em territórios não Autónomos, aegundo afirmou a sentença do Tribunal Europeu (TJUE) e as resoluções das Nações Unidas'' – adianta Khadad.



Sem comentários:

Publicar um comentário