quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Presos políticos saharauis do Grupo de Gdeim Izik intimados oficialmente para julgamento em tribunal civil no próximo dia 26 de dezembro de 2016




Os 25 presos políticos saharauis do Grupo de Gdeim Izik condenados a duríssimas penas por um tribunal militar marroquino na madrugada do dia 17 de fevereiro de 2013, vão agora, passados quase 4 anos, responder perante um Tribunal Civil. Tal como antes, o seu delito continua a ser o mesmo: o de terem organizado a maior manifestação pacífica na História do Sahara Ocidental, desde que Marrocos ocupou a antiga colónia espanhola em 1975.

Após nove dias de julgamento e sete horas de deliberação o tribunal militar marroquino condenou então nove ativistas a cadeia perpétua, quatro a 30 anos de prisão, dez a penas entre 20 e 25 anos e os dois últimos a dois anos de cárcere.

O regime de Marrocos, acossado e acantonado no seu isolamento, procura agora uma saída para uma situação que criou e que é condenada pela generalidade da opinião pública e instituições internacionais... Passar o caso para os tribunais civis, mas, não certamente por acaso, escolheu a data de 26 de dezembro para impedir a presença de observadores internacionais, uma vez que coincide com as datas festivas do Natal.

A 18 de Outubro, o grupo de Gdeim Izik, atualmente detido em El Arjat, recebeu o parecer individual para cada um dos 21 presos políticos do Tribunal Penal Civil de Rabat a informar que os recursos apresentados em 2013 tinham sido aceites.

A decisão do Tribunal Penal Civil (TPC) datava de 27 de Julho deste ano e os presos apenas foram informados a 18 de Outubro, o sistema judicial marroquino, reteve esta informação durante 82 dias.

Já depois da decisão do TPC o grupo foi transferido de prisão e vítima de maus tratos e espancamentos arbitrários e recorrentes.

Apela-se a todos os observadores internacionais e jornalista que participem neste julgamento.

Fonte: Porunsaharalibre.org e Aapso


Sem comentários:

Publicar um comentário