sexta-feira, 18 de março de 2016

POLISARIO afirma na ONU que, se se desmantela a MINURSO, haverá guerra




O representante da Frente Polisario junto da ONU, Ahmed Bukhari, advertiu hoje do perigo de que se reate a guerra no Sahara Ocidental se se puser fim à missão das Nações Unidas nessa zona.

"Se há um vazio, é um convite à guerra", afirmou Bukhari em declarações aos jornalistas nos corredores da sede das Nações Unidas pouco antes de ter início uma reunião do Conselho de Segurança para analisar o tema do Sahara Ocidental.

A reunião foi convocada de urgência pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ante o duro recontro de críticas entre a ONU e Marrocos na sequência da recente visita de Ban ao Sahara Ocidental.

Entre as medidas adotadas por Marrocos figura reduzir "significativamente" a componente civil da Missão das Nações Unidas para o Referendo do Sahara Ocidental (MINURSO).

Além disso, o Governo de Rabat também decidiu cortar o seu financiamento "voluntário" e essa missão, criada em 1991 para dirigir um processo que deveria levar à convocatória de um referendo de independência da região ou sua integração em Marrocos.

Segundo Bukhari, estas medidas implicam que o Governo de Rabat "está propondo um fim para a missão (da ONU), o que significaria o caminho mais curto para o reatamento da guerra".

"Se não há um processo político, o que é que resta?", Interrogou o representante da Polisario.

Bukhari expressou a sua confiança em que o Conselho de Segurança expresse hoje o seu apoio a Ban Ki-moon e ao mandato da MINURSO, e que terá que escolher entre "a paz ou um rumo desconhecido" nessa zona.

Acrescentou também que atualmente se vive na zona um momento "muito delicado" e sublinhou  que a MINURSO "não pertence a nenhuma parte", já que foi criada por uma decisão do Conselho de Segurança da ONU.


EFE

Sem comentários:

Publicar um comentário