quinta-feira, 2 de maio de 2013

Mais do mesmo no Sahara Ocidental?



A aprovação da Resolução 2099 pelo Conselho de Segurança da ONU, a 25 de abril, renovando por mais um ano o mandato da Minurso, e isso depois de dias de debate sobre se desta vez se ia conseguir o que não fora aprovado em 2012 – incluir a proteção dos direitos humanos entre as funções atribuídas dos capacetes azuis –  pode, e deve, provocar frustração desalento, porque tal objetivo não ficou expresso no texto.

A Realpolitik acabou por se impor de novo, e o desejo de alguns setores norte-americanos em prole da referida inclusão acabou por ser sustido; mas tal impulso, e a necessidade de que, até à última hora, algumas diplomacias de peso, com a francesa à cabeça, tenham tido que se empregar a fundo, é um bom indicador de que as coisas estão mudando. Agora, há mais em jogo do que antes, a rotina é história, e tudo permite prever que, até 2014, as coisas vão continuar a mover-se.


É também um bom indicador do processo de mudança o facto de El Aaiún estar a ser cenário de distúrbios ininterruptos desde há quatro dias. A mesma cidade que viu nascer o movimento que, devido pela sua envergadura, temos que considerar pioneiro das revoltas árabes, a concentração entre 15.000 a 20.000 pessoas no protesto do acampamento Gdeim Izuk, entre outubro e novembro de 2010 - é cenário hoje de contestação às autoridades marroquinas.

As manifestações começaram no dia seguinte à aprovação da resolução 2099, o que evidencia a frustração gerada após semanas em que as negociações tinham criado expectativas em todos os lugares. Também é importante que não foi só a capital, mas outros aglomerados importantes que foram palco de manifestações, desde Smara a Bojador. Há cobertura mediáticas das mesmas, e até o Ministério das Relações Exteriores francês destacou a necessidade de Marrocos proteger o direito do povo saharaui a manifestar-se livremente. Mesmo a França, que liderou no Conselho de Segurança da ONU o esforço diplomático para impedir a iniciativa dos EUA de incluir os direitos humanos no novo mandato da MINURSO, tem de apoiar agora, com a declaração, o respeito dos mesmos.

As águas tenderão agora a voltar ao seu caudal normal no que às relações entre Marrocos e EUA diz respeito – Rabat mostrou a sua irritação com Washington, e não só em termos declaratórios, pois chegou inclusive a anular umas manobras combinadas com forças norte-americanas, as “African Lion 2013” –, mas o que ficou claro com esta curta mas intensa crise é que Marrocos afronta e afrontará cada vez mais dificuldades dentro e fora do território ocupado.

© GEES, Grupo de Estudios Estratégicos.

Sem comentários:

Publicar um comentário