terça-feira, 4 de setembro de 2012

O Centro RFK confirma graves violações dos direitos humanos no Sahara Ocidental




Na declaração, a delegação refere a esmagadora presença das forças de segurança e as violações dos direitos à vida, à liberdade, à integridade pessoal, à liberdade de expressão, reunião e associação.
A delegação pôde observar a intimidação e a violência patrocinada pelo Estado contra os críticos ao regime que viola o Estado de Direito e o respeito dos direitos humanos e proporciona a impunidade dos agressores.
Durante a missão, a delegação do RFK foi seguida pela polícia secreta, fisicamente impediram a observação de um ataque contra manifestantes pacíficos, recebendo insultos e submetida a uma ampla campanha de desinformação destinada a minar a credibilidade da delegação.
Quanto aos acampamentos de refugiados saharauis, a delegação encontrou um nível de vida insuficiente. Depois de quase quatro décadas, estes padrões existenciais já não são aceitáveis e estão a afetar seriamente a vida, os sonhos e as aspirações dos refugiados saharauis.
Durante a sua visita ao Sahara Ocidental e aos acampamentos de refugiados saharauis, Kerry Kennedy foi acompanhada por Mary Lawlor, diretora da Front Line Defenders, Margarette May Macaulay, juíza do Tribunal Interamericano de Direitos Humanos, Eric Sottas, ex-secretário-geral da Organização Mundial Contra a Tortura, María del Río, presidente da Fundação José Saramago, e Marialina Marcucci, presidente do Centro RFK na Europa.

(SPS)

Sem comentários:

Publicar um comentário